Tradução deste blog

sábado, 29 de novembro de 2014

EBD LÇ.9 O PRENÚNCIO DO TEMPO DO FIM.

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 30/11/2014
PONTOS A ESTUDAR:
I – A VISÃO DO CARNEIRO E DO BODE.
II – O CHIFRE PEQUENO.
III – ANTÍOCO EPÍFANIO, O PROTÓTIPO DO ANTICRISTO.
                                       
PROPOSTAS DA INTRODUÇÃO: Não tenho dúvidas que a forma de revelação dada ao profeta Daniel, visão de animais aterrorizantes, com profundos significados e grande semelhança com os períodos históricos, tem a ver com a exploração de datas apocalíticas divulgadas pelos homens para determinar o tempo do fim e seria pior se as informações vindas do céu fossem literalmente mais claras, apontando fatos e épocas.


I – A VISÃO DO CARNEIRO E DO BODE.

1.1 A visão do carneiro.
O autor descreve bem o significado desse animal, dispensando esclarecimentos extras, porém, como ajuda, queremos considerar alguns pontos desse comentário:

1)    O estandarte e os símbolos carregados à frente dos exércitos serviam para demonstrar o orgulho e força desse exército. Roma abusou muito disso em suas guerras de conquistas.
2)    Os animais vistos por Daniel são associados a esses impérios, suas conquistas e derrotas.
3)    Interessante pensar como o crescimento populacional inspirou o surgimento desses impérios e a necessidade de estenderem os seus territórios em busca de expansão de poder e comércio.
4)    A soberba sempre foi a marca registrada na vida dos conquistadores.  

A zombaria de Belsazar contra Deus custou-lhe a vida e a queda do império babilônico.
  
1.2 Os chifres do carneiro.

Chifres de tamanhos diferentes revelavam a força de dos impérios o babilônico e o medo-persa que subverteu o primeiro passando a dominar os caldeus. No império medo-persa e principalmente no governo de Ciro os ventos sopravam a favor do povo judeu que preparavam o retorno à Palestina. Foi no primeiro ano do governo de Ciro que este teve o coração despertado por Deus para reconstruir Jerusalém (Esdras 1:1) passando para nós, uma importante lição; votemos em quem quiser votarmos para governar o Brasil; a nação brasileira pertence a Deus como as demais.

 1.3 A visão do bode.

O bode arremeteu contra o carneiro pisoteando-o sem compaixão e assim, o Império Greco surge no cenário, derrotando os persas.

Sempre que conhecermos uma pessoa forte, saibamos que surgirá outro mais forte ainda, exceto, quando se trata de JESUS; nunca houve nem haverá mais forte que ele que virá e governará o mundo e o porá aos seus pés.

 II – O CHIFRE PEQUENO.

2.1 A visão da ponta pequena.

As pontas ou chifres do bode se quebram surgindo outras quatro pontas notáveis e desta quatro,  um ponta pequena  que se atribui a presença de Antíoco Epifânio no cenário político e histórico, após a queda do império grego de Alexandre Magno.

A partir de Alexandre Magno, Israel sofreu sob a influência do helenismo o que se pode traduzir por paganismo e a filosofia grega empurrando para o lado, as ordens divinas através da Torá, fazendo desviar muitos sacerdotes do Senhor.

Há muitas discussões teológicas acerca dessa ponta pequena e a quem se refira, todavia, pela sequência de textos do capítulo 8 de Daniel, percebemos a ação do Anticristo já, exercendo influência para se apoderar do trono e pesar sua mão contra o povo de Deus.   

Não vejo motivos para contendas e intermináveis disposições de forçar o entendimento sobre o assunto para esta ou aquela direção.

2.2 A ultrajante atividade desse rei contra Israel.

E por ele foi tirado o sacrifício contínuo.
Apesar das ações ultrajantes de alguns dominadores sobre Israel a última ação será maior que as primeiras, pois, ele se assentará no trono de Deus, parecendo e querendo ser Deus.

 2.3 A purificação do santuário.

Tanto nos dias ou após Antíoco quanto nos últimos dias quando o usurpador assentar-se onde não devia e de lá for tirado, Deus cuidará de restabelecer o contínuo sacrifício e a vida moral do povo de Israel para que todas as nações veja sobre eles a sua grandeza.

O ato mais grotesco e atual, para mim, foi as autoridades permitirem que acontecesse em Jerusalém, uma parada gay.


III – ANTÍOCO EPIFÂNIO O PROTÓTIPO DO ANTICRISTO.

3.1Antíoco Epifânio.

Um tipo do Anticristo por suas ações e João diz que muitos se tem feito Anticristos, pelo que sabemos que já é a última hora, IJo 2:18.

3.2 A visão do anjo Gabriel.

O anjo Gabriel surge no cenário bíblico como prova que Deus, dá preferência ao homem para realizar a sua obra, todavia, ele tem os seus mensageiros a quem usa quando o momento o requeira.

Não se devem estabelecer regras doutrinárias por conta das aparições angelicais citadas na Bíblia. Nesta dispensação, toda expressão da vontade de Deus, estão gravadas nas páginas da Bíblia, sendo o suficiente obedece-la para que a nossa vida seja de paz. Anjos não aparecem por meio de oração nem vontade humana. Mesmo que essas orações sejam nos “montes”.

3.3 O tempo do fim.

A Palavra de Deus apresenta fatos, alguns em ordem cronológicas, porém, os fatos que determinam o começo do fim do reino humano, sob todos os aspectos, aparecem na Bíblia de forma empírica pela vontade de Deus, para que o homem não venha estabelecer planos confiando na ordem dos fatos. Daquele dia e hora, ninguém sabe! Mc.13:2 e Mt.24:36.

Esperemos com paciência no Senhor.





sábado, 22 de novembro de 2014

EBD LÇ 8 OS IMPERIOS MUNDIAIS E O REINO DO MESSIAS.

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 23/11/2014
PONTOS A ESTUDAR:
I – A VISÃO DOS QUATRO ANIMAIS.
II – O CLIMAX DA VISÃO PROFÉTICA.
III – A VINDA DO FILHO DO HOMEM.

PROPOSTAS DA INTRODUÇÃO:  Peço desculpas pela demora na publicação; pela lição, deveria ter postado com mais tempo.


I – A VISÃO DOS QUATRO ANIMAIS.

1.1 A VISÃO.
Temos aqui uma das formas de comunicação entre os céus e a terra; é a linguagem de Deus. Isaias, Ezequiel,  Daniel e João,  tiveram muitas visões e cheias de profundos significados, sempre ligados aos acontecimentos mundiais, iniciados pelos grandes impérios para concluir com o maior reino a ser estabelecido, o Reino de Cristo na terra.
O leão com asas de águia  – Asas arrancadas; ascensão e queda do Império Babilônico.
O Urso – Império Medo-Persa com toda sua exuberância.
O leopardo com quatro asas – Império Grego. As grandes conquistas de Alexandre Magno e o final dividido desse império.
Último e mais terrível dos animais – Representação do Império Romano cuja história ainda não acabou a quem se pode creditar toda “bagunça” da sociedade moderna, materialista e contrária a Deus. Entendi isso como os pés de barro da estátua do sonho de Nabudonosor.


1.2 A INTERPRETAÇÃO.

As duas figuras introduzidas no sonho; Ancião de dias, tronos e um como o filho do homem. Pode-se simplificar esta complexa série de revelações com o entendimento que diante de Deus, nada para diante de Deus para que se cumpram todos os seus propósitos até que venha o seu Reino.

Confesso que o tempo de aula dedicado às Escolas Bíblicas Dominicais não permitiriam desdobrar essa lição para esclarecer de forma didática o estudo de cada elemento do sonho, todavia, algum aluno possivelmente, tendo lido, se interesse por entender algum elemento do sonho, aí, cabe ao professor usar de sabedoria e tato, para simplificar suas explicações, já esclarecidas pelo próprio autor.


II – O CLIMAX DA VISÃO PROFÉTICA.

2.1 Tronos, “ancião de dias” e juízo divino.

O que nos traz tranquilidade diante de tanta desarmonia, perversão e destruição é saber que o “ancião de dias” tem contagem própria de tempo para exercer o juízo sobre esta terra e as nações, lembrando que na atual conjuntura, por mais que nos esforcemos, condenemos as atitudes imorais dos seres humanos, não conseguiremos deter a manifestação do homem do pecado e filho da perdição, até que o Senhor venha.


2.2 O “Filho do Homem”.

Recomendável que o professor peça a leitura deste tópico, muito bem explicado e que alegra a nossa alma. JESUS transita pelo antigo testamento mostrando-se aos profetas de muitas maneiras. Um dia todos o verão face a face e outros, nem tanto, pois, surgiram na ressurreição final para receber a sentença pelo que fizeram por meio do corpo.

2.3 A grande tribulação.

Já me perguntaram se o Anticristo já nasceu e está no mundo. A minha resposta orbita sempre na questão dos sinais preditos pelo próprio Senhor Jesus, as advertências de Paulo, principalmente as do capítulo 2 da segunda carta aos Tessalonicenses; as manifestações que precedem a vinda do Senhor. Dá para sentir no ar o cheiro podre dessas manifestações e dá para perceber que ninguém conseguirá detê-lo e o seu braço se estende pelo aborto, a prostituição masculina e feminina e o crescimento da imoralidade principalmente na área da cultura; televisão e filmes.
  
III – A VINDA DO FILHO DO HOMEM.

3.1 A visão.

A visão se volta inteiramente para o que é mais esperado, a vindo do Senhor para tirar deste mundo a sua igreja. Há um que resiste até que do meio seja tirado, 2Ts 2:7. Deus nos deu o penhor da herança, o Espírito de verdade que o mundo não vê nem conhece; o Paracleto ou Consolador.

3.2 “Os santos do altíssimo”.

O autor deixa claro que esses santos, considerando a grandeza do plano de Deus, não se restringe aos santos da antiga aliança, é muito mais abrangente para que nos lembremos que os filhos que Deus daria a Abraão, eram como as estrelas ou como areia da praia, incontáveis.

3.3 A destruição do Anticristo.

O Anticristo não é o Diabo, mas, um ser, cheio dele e como homem, será julgado pelo Senhor e o porá no lugar devido com o Diabo e seus anjos; lugar de fogo e enxofre.

Ora vem Senhor Jesus!



sexta-feira, 14 de novembro de 2014

EBD LÇ.7 INTEGRIDADE EM TEMPOS DE CRISE.

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 16/11/2014
PONTOS A ESTUDAR:
I – DANIEL, UM HOMEM ÍNTEGRO EM UM MEIO POLÍTICO CORRUPTO.
II – DANIEL, UM HOMEM ÍNTEGRO QUE NÃO TRANSIGIU COM A SUA FÉ.
III – DANIEL NA COVA DOS LEÕES.




PROPOSTAS DA INTRODUÇÃO: Mantenha-se fiel e não se deixe levar por qualquer proposta vantajosa que possa afasta-lo de Deus.


I – DANIEL, UM HOMEM ÍNTEGRO EM UM MEIO POLÍTICO CORRUPTO.

1.1 Dario reorganiza o governo e delega autoridade administrativa.

Perceba-se que a história se repete, sempre.
Se você não for 100% capaz, tripudiam sobre você.
Se você for muito capaz, falam mal e tentam desestabilizar procurando falhas para acusar publicamente.

Resumindo: Quem pretende servir a Deus, torna-se uma pessoa pública e com certeza, sofrerá ataques e nessa hora, é olhar o menos possível para os lados, seguir em frente e impor a sua personalidade. Exigir sempre o respeito é fundamental, todavia, respeito não se impõe, planta-se como uma semente a partir de atitudes coerentes e firmeza de caráter.

Há muitos que querem o respeito, impondo-se com ares de coronel, trazendo “ares de coronel” para um sentido figurado.

1.2 Daniel se torna alvo de uma conspiração.

Vida de Daniel é o que importa. Quem ninguém ache nada em nossas vidas como também na liderança dos trabalhos a que venha servir como ponto de apoio para os que atacam.

Daniel tinha uma vida íntegra e não dava chances para o azar.

Não encontraram nada na vizinhança, vamos procurar na sua própria fé. Notem que quem quer o mal, não consegue esconder a sua astucia e capacidades para essa prática.

O poder econômico é uma das armas para atacar obreiros fieis, oferecendo presentes, mimos e  paparicar para ter a confiança. Depois de tudo, as unhas penetram na carne. É preciso muito cuidado. Muitos obreiros se deixam levar pelas aparências e muitas vezes, elevam o moral de certos indivíduos que serão os primeiros a destruí-lo.

1.3 O perigo das confabulações políticas.

Quanta astucia, conheciam os hábitos de Daniel.

Muitos políticos evangélicos caem em desgraça por não atentar na malícia alheia.

Muitos irmãos responsáveis por departamentos de compras nas empresas, são prejudicados pelos mesmos motivos  ocorridos na política. Receba essa comissão, pagaríamos de qualquer maneira aos nossos funcionários, dizem eles! Nunca aceite suborno.

Daniel manteve o seu excelente hábito de orar a Deus, pois, precisava mudar a história do seu povo.
  
II – DANIEL, UM HOMEM ÍNTEGRO QUE NÃO TRANSIGIU COM A SUA FÉ.

2.1 Nenhuma trama política mudaria em Daniel o seu hábito devocional da oração.

Daniel entendera que a sua vida dependia de sua relação com Deus escreve o autor e completa:  “a oração era a maneira de orientar de ele ser orientado em suas decisões pessoais e políticas”.

É um tanto incompreensível que pessoas transformem os momentos de oração a Deus, em verdadeiras batalhas espirituais, como propagam.

A oração é antes de tudo, devoção para uma vida de submissão e reconhecido do monitoramento divino sobre as nossas vidas.

Os hábitos podem ser mudados, quando outros interesses se mostram indispensáveis em determinados momentos.

 2.2 A momentânea vitória dos conspiradores.

Não se avalia tudo na vida dentro de um tempo, mas, na soma dos tempos para depois perceber que os maus nunca terminam bem.

Que bom lembrar-se de Hamã e sua insana busca em prejudicar Mardoqueu. Que fim horrível teve Hamã. (Livro de Ester).

Não precisamos tomar vingança em nossas mãos, Deus trabalha para quem se mantém no caminho da justiça.

2.3 Preservando a integridade.

Recomendo a leitura deste tópico que oferece importantes considerações sobre a preservação da integridade.

A vida de Daniel anula o comentário dos que buscam se defender sob a declaração de que; ninguém é de ferro.

O crente verdadeiro pode morar ao lado de ímpios, conviver com impíos profissionalmente e até politicamente, sem se contaminar.

Salmo 15 para todos nós.


III – DANIEL NA COVA DOS LEÕES.

3.1 Daniel preferiu morrer a se dobrar diante de um edito maligno.

Olhando pela ótica de Daniel, sequer deveríamos estar contestando decisões políticas sobre aborto, homossexualismo e etc.

É bom não confundir os momentos nem as realidades; hoje, somos parte de uma sociedade e temos o dever de proteger os mais fracos e menos favorecidos; não é impróprio que o cristão opine, questione, até porque, não se trata de defender interesses pessoais diante de alguma adversidade e sim, como ser social, preservar os valores esposados na Palavra de Deus, como o reconhecimento e sustentação do casamento nos moldes bíblicos, temos também o aborto e a tentativa de reduzir a maioridade sexual das crianças.

3.2 Daniel foi protegido da morte pelo anjo de Deus.

Ao ser lançado na cova, Daniel não contava com essa proteção, mas, ela veio para ele como para os seus amigos na fornalha.

Neste tópico temos outra importante lição. O rei reconhecia a inocência de Daniel, todavia, fez cumprir o edito. Quantos hoje sacrificam pessoas de Deus, simplesmente para não ferir interesses protagonizados por terceiros em prejudicar alguém.

Na fidelidade, a proteção de Deus.
  
3.3 Deus mais uma vez, foi glorificado através da vida de Daniel.

 Um novo decreto impunha a todos em toda extensão do império que somente o Deus de Daniel devia ser adorado.

O fato de essa nova decisão do rei ter sido recebida, possivelmente, com festas e agradável ao povo judeu em todas as províncias, temos que ter muito cuidado para não achar que as coisas de Deus, são feitas por decreto.

Em 391 Teodósio oficializou o cristianismo em todo território dominado por Roma e conhecemos bem os desdobramentos dessa inventiva cujos males foram tão danosos para a humanidade, até a ruptura no século XI com a reforma luterana.






sábado, 8 de novembro de 2014

EBD LÇ.6 A QUEDA DO IMPÉRIO BABILÔNICO.

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 09/11/2014
PONTOS A ESTUDAR:
I – O FESTIM PROFANO DE BELSAZAR.
II – O IRREVOGÁVEL JUÍZO DE DEUS.
III – A SENTENÇA CONTRA BELSAZAR E A QUEDA DE BABILÔNIA.



PROPOSTAS DA INTRODUÇÃO: A Bíblia recomenda que devamos viver neste presente século, justa, sóbria e piamente, Tt.2:12   
  
I – O FESTIM PROFANO DE BELSAZAR.

1.1 A zombaria de Belsazar.

Belsazar é o típico zombador, soberbo e insensato. Certamente não tinha noção do tamanho de Deus e o zelo pelos objetos de culto.

Ainda hoje, vemos muitos abusando daquilo que é utilizado nos cultos de adoração ao Senhor; riscam bíblias, harpas, colam chicletes nos bancos da igreja, colocam os pés na parede para descansar, não há o mínimo respeito pelo local de culto e tudo que diga respeito.
Já vi caso de uma harpa cristã, ter acréscimos tolos nos títulos de quase todos os hinos disponíveis.


1.2 A insensatez e a crueldade do autocrata Belsazar.

Todos os grandes impérios tiveram governantes tolos e até reinos como no caso de Israel após a divisão entre o norte e o sul.

O erro mais comum desses governantes assentava-se no tripé: Poder, riqueza e mulheres.

Nada mudou. Os três ou qualquer deles levam líderes à perdição.


1.3 Uma festa profana.

Quando um governante ignora os conselhos de Deus, não revela qualquer temor, não há limites para o que pretendam praticar.

Vejam que orgia não é coisa do lado podre da nossa sociedade que a tudo se entrega. Li o livro “Messalina” e deixei de ler outros por não convir, para ver o quanto um governante sem controle moral pode tentar comprometer toda a sociedade sob seus olhos.

Calígula por exemplo, rendeu filmes e livros.

Há uma banda podre no nosso governo que tenta de tudo para perverter os bons caminhos que a igreja vem tracejando para que  deixemos de receber as bênçãos do Senhor, como nação.



II – O IRREVOGÁVEL JUÍZO DE DEUS.

2.1 O dedo de Deus escreve na parede.

É possível imaginar o que de fato aconteceu naquele momento?

Bem! Eu imagino que a presença do Senhor naquele momento, aliada ao movimento da escrita na parede deve ter causado calafrios em todos os presentes, algo semelhante à morte dos primogênitos no Egito, um sentimento, um pavor.

- Seus pensamentos turbaram.
- Os lombos relaxaram.
- Os joelhos bateram um no outro Dn 5.6.

2.2 A rainha lembrou-se do profeta Daniel.

Falam mal dos pentecostais, mas, na hora do aperto, correm a chamar aquela “irmãzinha” que ora tanto e é capaz de buscar em Deus o entendimento dos problemas que parecem sem solução.

Daniel saberá entender isto e dar entendimento.

- Há no teu reino um homem que tem o espírito dos deuses santos; disse a rainha. Como é ruim desconhecer o tamanho do nosso Deus.

Um dia Jean Wyllys vai vê-lo de perto.

- Aparentemente Daniel não estava no palácio.


2.3 Daniel entra na presença de Belsazar.

Que santa ignorância do Belsazar, onde foi criado; não conhecia sequer a história dos seus pais? “...és tu aquele Daniel dos cativos de Judá que o rei meu pai trouxe de Judá?...”.

“Daniel era um homem que não fazia concessões a sua fé...” gosto dessa expressão, usada pelo autor da lição.
Não fazia concessões a sua fé, não queria e não recebia presentes por mais dadivosos que parecessem. E nós, pregadores, cantores e aqueles que receberam algo de Deus por sua graça?

- “...as tuas dádivas fiquem contigo e dá os teus presentes a outrem...”
Hummmm!!! Mal educado esse Daniel não?

Lembremo-nos de Eliseu e o general Naamã, outro grosso, não?

O maior problema é que temos muita gente fina e bem educada nos nossos dias, resguardadas as devidas proporções. É preciso saber o momento de falar assim como eles.



III – A SENTENÇA CONTRA BELSAZAR E A QUEDA DE BABILÔNIA.

3.1 Os sábios não decifraram...

Deus revelou o significado daquelas palavras.

Algo que não faço qualquer esforço para entender é o que chamamos de “línguas estranhas”. Quando recebi o batismo com o Espírito Santo, falei poucas palavras e nada inteligíveis, quando fui renovado, pois, buscava isso, falei palavras realmente estranhas diferente das primeiras.

O grande problema é que tem muitas pessoas que acham que batismo com o Espírito Santo é pronunciar sempre palavras longe do alcance da nossa inteligência, porém, em Atos 2, vimos que através do batismo, o Espírito de Deus que comanda tudo, pode nos movimentar na direção que queira.

Não esqueçamos de que o dom de interpretar foi concedido para isto mesmo, dar entendimento daquilo que está fora do nosso alcance e tudo para glorificação do nome do Senhor.

Assim foram as palavras escritas na caiadura da parede e assim, Deus deu a Daniel o entendimento das mesmas.
O que foi escrito na parede era realmente estranho, afinal de contas, na Babilônia estavam os sábios e certamente entendiam todos os idiomas e dialetos do seu tempo.


3.2 As quatro palavras misteriosas.

MENE, MENE, TEQUEL e PARSIM.

- Contou Deus o teu reino e acabou.
- Pesado na balança e achado em falta.
- Dividido foi o teu reino e dado aos medos e persas.

Com Deus não se brinca. Deus não se deixa escarnecer Gal. 6:7.

3.3 O fim repentino do império babilônico.

Recomendo a leitura em classe desse último ponto da lição, por cada aluno e levar em conta o último parágrafo: “...Deus não suporta uma vida de egoísmo, soberba e perversidade...”

“Nada fica impune diante dos seus olhos, quando alguém por puro egoísmo causa prejuízo ao seu irmão.”.