Tradução deste blog

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

ORANDO NOS MONTES



O lugar de Samaria. Imagem: Wikipedia.


A topografia de Israel premia a nação com importantes montes que ao longo da história bíblica foram palcos de grandes acontecimentos e das  manifestações divinas através dos conhecidos profetas bíblicos.

A vinda do Messias  vira totalmente a página da vida religiosa do ser humano para trata-lo sob a “Dispensação da Graça”, iniciando com a emblemática figura do  profeta João Batista, que surge no cenário com uma pregação diferente de todos os profetas de Israel: “Arrependei-vos e crede no evangelho...”.

Cito apenas alguns, com o apoio da Wikipédia que oferece fotos atualizadas de todas as montanhas dessa região no Oriente Médio.
MONTE MORIÁ  –  Onde o Senhor aparece.
MONTE NEBO    –  Onde Moisés esteve na sua morte.
MONTE SINAI,  também HOREB -  Onde Moisés recebeu as tábuas da lei.
MONTE SIÃO OU TZIO – A cidade de Davi e a cidade de Deus; a terra prometida.
MONTE DAS OLIVEIRAS  -  Lugar favorito de Jesus.

Não pretendo estender-me muito sobre a história e os fatos que envolveram as igrejas perseguidas, principalmente em Roma para fugir das perseguições do império. Assim, faço referência ao  mais importante ensino de Jesus sobre este assunto, dirigido  à mulher samaritana quando ele sem qualquer receio, usa a rota que passa por Samaria a caminho da Galiléia. 

O mestre resolve descansar da sua caminhada  junto ao Poço de Jacó, na antiga Siquém no vale entre as montanhas de Gerizim e Ebal. Ali, discorre o diálogo com registro no Livro de João  no capítulo 4. Era a hora sexta, por volta do meio dia quando a mulher samaritana aproxima-se para apanhar água e depara-se com um judeu ali assentado e que lhe pede de beber.

“...Nossos pais adoraram neste monte e vós dizeis que é em Jerusalém o lugar em que se deve adorar...” .  JESUS LHE RESPONDE: “Mas a hora vem e agora é em que os verdadeiros adoradores adorarão ao pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é espírito e importa que os verdadeiros adoradores o adorem em espírito e em verdade.”.

SOLA SCRIPTURA. Nada se deve acrescentar e nada se deve tirar Apo calipse 22.18-19.

ASSEMBLEIA DE DEUS NO BRASIL – 19 de novembro de 1910.

A história dessa igreja é de uma exuberância impar; sem vícios e preservando a doutrina bíblica ela iniciou em Belém, capital do Estado do Pará a mais pura das pregações: JESUS, salva, batiza com o Espírito Santo e leva para o céu. Deste modo, ela rompeu com a tradição católica descendo do Norte ao Sul do país, com poder e milagres e os crentes não eram inventivos; mantinham-se na estrita observância da Palavra de Deus.

No sul do país, instalou-se a Congregação Cristã no Brasil, em 1910  como a conhecemos hoje.

As primeiras igrejas pentecostais saídas desta Assembleia de Deus, por vias diretas ou indiretas foram o Brasil  para Cristo fundada em 1955 e a Igreja DEUS É AMOR fundada em 1962 cujo missionário fundador era membro da Igreja Pentecostal  MARAVILHAS DE JESUS.

Lembro-me de uma série de artigos do Jornal O Estado de São Paulo que denunciando desmandos (entenda-se como perseguição) nas igrejas O Brasil Para Cristo e Deus é Amor, há pelo menos uns 25 anos, deu conta que muitas pequenas igrejas estavam sendo fundadas por funcionários de rádio, habituados a ouvir principalmente o Missionário Manoel de Melo pregar e conduzir os cultos.
A afirmação do jornal era verdadeira e a partir daí, placas ia surgindo com os mais variados títulos onde existiam pontos comerciais, trazendo os mais variados tipos de ensinamentos e formas de cultos.

A IGREJA CRESCEU E PERDEU O CONTROLE SOBRE AS VIDAS.

Essa história de “orar no monte”, não tendo uma data exata, comecei a ouvi-la há pelo menos vinte e cinco anos e não tínhamos noção da importância que se dava ao novo hábito, da mesma maneira que os vícios de fazer campanhas de números de dias, de semanas e meses, conquanto, isto não era prática da Igreja que experimentou o maior crescimento pentecostal.

QUE TIPOS DE CRENTES REFUGIARAM-SE NOS “MONTES” PARA ORAR?

Na minha juventude eram comuns, vigílias nas igrejas e até mesmo em casas de irmãos, afastadas dos centros residenciais, por conta do barulho.

Fui percebendo que outras razões começaram a tomar lugar. Irmãos que arrogavam para si o direito de profetizar e revelar, sentiam-se incomodados nas igrejas por conta do “homem” que não os deixavam revelar livremente. Esse homem era o pastor da igreja, que como eu, não gostavam de ver os crentes enrolados com falsas profecias e falsas revelações. Os reveladores usavam ainda da liberdade de entrar nas casas para orar e revelar e ainda recomendavam que nada dissessem ao pastor da igreja - isto aconteceu muito comigo e grande foi a minha luta e combate.

HÁ TRÊS GRUPOS QUE GOSTAM DE SE REFUGIAR NOS “MONTES”.

Os que gostam de ter a primazia e autoridade conduzindo o seu particular rebanho de seguidores que não costumam respeitar os ensinos bíblicos – Sola Scriptura nem o governo das igrejas.

Os que gostam de ver gravetos pegando fogo diante do “poder” manifesto, um poder duvidoso que não suporta uma análise bíblica para a verdadeira manifestação de poder.

Aqueles que ficam apenas zangados quando falamos deste assunto, por não perceberem que por trás desse hábito existem pessoas interesseiras e perigosas. São irmãos sinceros que reúnem grupos para fugir do barulho dos bairros e preferem se isolar para ter ”momentos de intimidade” com Deus.

Alguns defendem esse hábito de maneira tão ardorosa que se não tomarmos cuidados abraçarão a ideia que a nossa igreja que tanto fez por esta pátria nunca teve noção da verdadeira adoração; “em espírito em verdade” disse JESUS.

O Brasil é um país de sincretismo religioso e quando o ranço da religiosidade toma conta do coração aliado aos interesses de poder e dinheiro, parece que tudo vale e tudo se torna biblicamente aceito.

Disse o verdadeiro apóstolo do Senhor, Paulo: “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina, persevera nestas coisas, porque fazendo isto  te salvarás tanto a ti mesmo como os que te ouvem”.  1 Timóteo 4.16.

ORANDO NOS MONTES.

Não há qualquer preocupação com reserva de direitos ao comentário, pedindo apenas que a fonte seja citada por questão de educação. 

Informações históricas; valho-me do dicionário livre Wikipédia.

Genivaldo Tavares de Melo
Dezembro de 2014.

sábado, 20 de dezembro de 2014

EBD LÇ 12 UM TIPO DO FUTURO ANTICRISTO

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 21/12/2014
PONTOS A ESTUDAR:
I – PREVISÕES PROFÉTICAS CUMPRIDAS COM EXATIDÃO.
II – O CARÁTER PERVERSO DE ANTÍOCO EPIFÂNIO
III – ANTÍOCO EPIFÂNIO TIPO DO ANTICRISTO.

                                  Antíoco Epifânio - Museu de Berlim. 

PROPOSTAS DA INTRODUÇÃO: Somos um povo feliz, por crermos na Palavra de Deus, que não muda com o tempo ou as estações.


I – PREVISÕES PROFÉTICAS CUMPRIDAS COM EXATIDÃO.

1.1 A revelação sobre o fim do Império Medo-Persa.

Como vimos em lições anteriores, às revelações dadas a Daniel sobre a ascensão dos grandes reinos e impérios do passado é mostrada por figuras de animais terríveis e agora no capítulo 11 o fim desses reinos e impérios surgem com formato diferente; fala de personagens que se levantarão no cenário desses reinos e impérios e mostra algo impressionante quando declara a característica de um homem vil que sem dignidade real, reina com engano; o Anticristo.

Não é uma tarefa fácil em uma escola bíblica dominical, com seu curto horário, ensinar com riqueza de detalhes pontos históricos desses reinos e impérios e que exige dos intérpretes da Palavra de Deus, cuidados com relação à associação desses animais com reis e períodos históricos, todavia, o Espírito do Senhor é maravilhoso e tem dado entendimento a homens especiais para mostrar temas proféticos, cumprimentos e relação com os que foram.


1.2 Um rei valente.

Este tópico nos desperta para reavaliarmos melhor os nossos pensamentos no tocante a política e governos.

- Nada está fora do alcance das mãos de Deus.
- Deus não interfere apenas nos governos do seu próprio povo (IRs 19:15).
- O povo de Deus não pode desperdiçar  a sua cidadania, todavia, precisa saber que de Deus vem a palavra final sobre todos os assuntos.
   
1.3 A divisão do reino entre quatro generais.    

O autor discorre sobre os acontecimentos históricos após a morte de Alexandre Magno e a divisão do seu império que passou ao domínio dos seus generais.  

Há muitos outros fatos históricos em que a mão de Deus se fez sentida e o homem credita tudo à ordem natural dos acontecimentos; é uma pena!

Deus pode mudar o rumo da nossa história se confiarmos no seu poder e não sairmos da sua direção.


II – O CARÁTER PERVERSO DE ANTÍOCO EPIFÂNIO.

2.1 Antíoco Epifânio foi um rei perverso e mal

Homem vil.
Na história conhecemos muitos governantes vis, sem qualquer escrúpulo para destruir todos os que lhes fazem oposição.

A tirania tem sido comum em alguns governos do nosso tempo.

Orar é preciso!

 2.2 Antíoco Epifânio invadiu Jerusalém.

O ataque a Jerusalém visava despersonalizar o povo da sua tradição e fé em Deus, impedindo a realização dos sacrifícios e forçando a helenização do povo, ou seja, implantando a cultura grega.

O inimigo tem agido assim em nossos dias e poucos se dão conta desses ataques que visam unicamente despersonalizar a igreja do Senhor e tem conseguido em muitos lugares.

 2.3 Antíoco Epifânio era cruel.

A marca registrada de todo tirano é desrespeitar tudo e principalmente os valores da fé.
Sempre que um tirano assume o poder, a primeira ação é eliminar todo vínculo do homem com Deus.

III – ANTÍOCO EPIFÂNIO TIPO DO ANTICRISTO.

3.1 O “homem vil” que chega ao poder.

Um texto que sempre levei em conta para mostrar com quanta eficácia o Anticristo vai agir sobre Israel o autor cita, 2Ts. 2:3-10 e com muita propriedade o verso 10 e 11: “Não receberam o amor da verdade para se salvarem, Deus enviará a operação do erro para que creiam a mentira.”.

A igreja brasileira precisa acordar para perceber o que está acontecendo no nosso meio.

3.2 O futuro governante mundial no “tempo do fim”.

Aqui temos:
- O fim do tempo.
- Uma confederação de nações para destruir Israel.
- Deus finaliza com todos eles.
- O tempo sempre foi de Deus.
Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo.

3.3 Precisão profética.

Chamamos de “precisão profética” aquela que aponta para os erros ou acontecimentos futuros e os acontecimentos  envolvendo Epifânio é mais um dos grandes sinais das profecias bíblicas a se cumprirem sobre o surgimento do anticristo e seu projeto de enganar o povo de Deus para depois querer destruí-los.


O Senhor vem e acaba com a festa!

sábado, 13 de dezembro de 2014

EBD LÇ.11 O HOMEM VESTIDO DE LINHO

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 14/12/2014
PONTOS A ESTUDAR:
I – UMA VISÃO CELESTIAL.
II – A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO.
III – DANIEL É CONFORTADO POR UM ANJO.

PROPOSTAS DA INTRODUÇÃO: Não podemos abandonar nossos projetos na primeira investida do inimigo ou alguma adversidade. A fé remove montanhas.
  
I – UMA VISÃO CELESTIAL.

1.1- “Foi revelada uma palavra a Daniel”.

“Deus é Senhor e tem o conhecimento total e completo do futuro”. (do autor)

Há algumas doutrinas bíblicas que só podem ser entendidas a partir do entendimento completo de tudo sob a ótica de Deus. Vale qualquer afirmação e dou como exemplo:

Eleição e predestinação:  Deus conhece e tem em suas mãos os salvos e isto não significa que Deus tenha filhos prediletos e  salva, somente aqueles que ele quer; a vontade de Deus é que TODOS se salvem e venham ao conhecimento da verdade.  ITm.2:4.

Assim, Deus compartilhou com Daniel o que estava reservado para o final dos tempos.


1.2 – Daniel um homem de oração.

O que devemos considerar é que todo homem da Bíblia e que serviram de exemplo para nós, à vida de oração deles, não estava presa a interesses pessoais ou suas carências; a vida de jejum e oração estava sempre ligada a nação e a vida espiritual do povo, Nada de buscar revelações pelas revelações ou para ser alvo e centro das atenções.

 1.3 – A tristeza de Daniel.

O autor opina sobre o possível motivo da tristeza de Daniel e claro está que essa tristeza tinha a ver com o retorno e a reconstrução de Jerusalém ou do próprio estado judeu.

Temos visto pelas redes sociais, crentes chorando até pela perda de animais de estimação e em parte, entendemos isto, todavia, poucos choram se algo não vai bem com suas igrejas.
  
II – A VISÃO DO HOMEM VESTIDO DE LINHO.

2.1 – Um “homem vestido de linho”.

Em alguns momentos na vida dos homens de Deus como Abraão, Daniel, Ezequiel e outros, tiveram a felicidade de receber a visita de anjos e de um anjo muito especial, diferente dos demais cujo entendimento procura-se pelo estudo das Teofanias Bíblicas.

Em momentos lancinantes, Deus pessoalmente visitou os seus profetas em forma angelical e humana. Momentos simplesmente fantásticos que revelaram a grandeza e o amor de Deus pelo ser humano e pela regência dos seus planos.

Com Abraão em vários momentos – Gn 16:11, 22:11,15.
Com Gideão Jz.6:11.  

2.2 - “Eis que uma mão me tocou”.

Eis um ponto com o qual, muitos resolvem polemizar sem motivos que justifiquem.

É indispensável atentar para o comentário do autor sobre este assunto.

O entendimento bíblico que se tenha sobre o assunto não abre espaço para afirmar que cada nação tem um anjo protetor.

Apesar de a própria Bíblia declarar que o anjo do Senhor acampa-se ao redor daqueles que o temem, (Salmos 34:7) também não permite que se estabeleça doutrina para afirmar que cada pessoa tem um anjo cuidando da sua vida e isto pode acontecer, dentro da vontade do Senhor e somente por sua vontade.
  
2.3 – “O príncipe do reino da Pérsia”.

O príncipe do reino da Pérsia  (Dn 10:13) fez oposição a Daniel resistindo-o pelas orações  que subiam por intercessão do profeta e Miguel, o grande príncipe do Senhor veio para socorrer Daniel.

O Diabo tem o seu exército que age sobre o sistema mundano.
  
III – DANIEL É CONFORTADO POR UM ANJO.

3.1 – Daniel é confortado por um anjo.

Na antiga aliança e nesta dispensação, Deus socorre os seus e disto, não duvidamos. Deus age como quer e nós não cobramos suas razões, todavia, não podemos transformar as interferências de Deus em regras para estabelecer doutrina.

Deus age por exceção e nós, por regras; regras estabelecidas em sua palavra; a Bíblia Sagrada.
  
3.2 – O conflito entre o Arcanjo Miguel e o príncipe do reino da Pérsia.

Dn. 10:13 serve-nos como advertência para que nossas orações sejam acompanhadas de uma vida de integridade caso contrário, elas poderão cair no vácuo. Não duvidemos disso!
  
3.3 – A hostilidade espiritual contra o povo de Deus.

Israel sempre foi muito perseguido e tem sido nestes últimos tempos, todavia, a mão do Senhor e o seu exército.

Da segunda guerra mundial até o nosso tempo, Israel tem sido perseguido e os inimigos tentam tira-los da Terra Prometida, de Sião. O príncipe do reino da Pérsia ainda não se deu por vencido; ferido pelo Cordeiro de Deus com a morte no calvário, ele tentará a sua última investida contra o povo de Deus.
Vale lembrar neste momento, da guerra dos seis dias em 1967; seis dias foi o tempo para que Israel rechaçasse os inimigos e essa vitória foi comparada com a ação de Davi contra Golias e a guerra do Yon Kippur ( dia do perdão) em 1973. A luta não acabou, mas, o Deus, o nosso Deus é chamado também de o Deus de Israel.



sábado, 6 de dezembro de 2014

EBD LÇ 10 AS SETENTA SEMANAS

EBD – SUBSÍDIO - LIÇÃO PARA O DIA 07/12/2014
PONTOS A ESTUDAR:
I – DANIEL INTERCEDE A DEUS PELO SEU POVO.
II – DEUS REVELA O FUTURO DO SEU POVO.
III – OS PROPÓSITOS DA SEPTUAGÉSIMA SEMANA.                

                                             O centro do  mundo e dos fatos.


PROPOSTAS DA INTRODUÇÃO: Óbvio que tudo na Bíblia nos atrai, porém, há algumas manifestações de sentimentos que cala em nosso coração como, por exemplo: “Estando eu ainda falando e orando e confessando o meu pecado e o pecado do meu povo Israel....”.
Confessando o MEU PECADO depois.... o pecado do meu povo.

Não ficar culpando a igreja por todos os fracassos e sim, assumir corajosamente a culpa para tomar a rota certa.

 I – DANIEL INTERCEDE A DEUS PELO SEU POVO.

1.1 O tempo da profecia de Jeremias.

A Bíblia tinha a resposta mesmo sendo Daniel, um homem de visões.
Estava escrito. Certamente Deus finalizaria o plano concebido para dar a Israel a lição que precisava e o fim desse castigo.

Israel tinha sido entregue nas mãos dos Caldeus e era hora de retornar.

1.2 As confissões dos pecados de um povo.

A coisa mais fácil tem sido apontar os erros dos outros sem assumir as próprias culpas.

Lembremo-nos de Davi quando após levantar o censo bélico de Israel, foi repreendido pelo Senhor e vendo o látego bater sobre o povo fez a seguinte oração: “...Não foi eu que pedi para contar o povo? E eu mesmo sou o que peguei... seja a tua mão contra mim e a casa de meu pai e não para castigo de teu povo.”.
  
1.3 Daniel reconheceu a justiça de Deus.

Traduzir o pensamento do autor neste ponto não é tarefa fácil; somente ele poderia ampliar, todavia, arrisquemo-nos.

Quando o profeta declara que em nós está a confusão de rosto, significa reconhecer a fragilidade do nosso pensamento em torno das questões divinas, principalmente quando essas questões envolvem pessoas ou nações e no caso, o povo de Israel.

Vejamos um exemplo bíblico; Quando Deus manda matar, homens, mulheres e crianças...   ISm. 15:3 sobre Amaleque.


II – DEUS REVELA O FUTURO DO SEU POVO.

2.1As setenta semanas.

Aqui começa o mais pesado.

O autor explica a maneira matemática de desembaraçar as setenta semanas que logicamente, os fatos não ocorreriam em apenas 490 dias e sim de anos sendo um ano para cada dia da semana, resultando assim em 490 anos, veja o mapa na página 71 da lição.

Essas 70 semanas de anos, reservam uma semana para os acontecimentos finais, portanto, trabalha-se com 69 semanas iniciadas com a autorização de Artaxerxes para o retorno a Israel.

Veja no próprio ponto 2.1 como o autor explica os acontecimentos e o período de cada um: 7 semanas, 62 semanas e 1 semana.

Muitos alunos não são aplicados no estudo da escatologia e se conformarão com a simples leitura do ponto e outros que já vem preparado e gostam do tema, poderão pegar algum professor desavisado, no contrapé. Todo cuidado é pouco.

2.2 Os três príncipes são mencionados na profecia.

O príncipe que é tirado, o Messias. Tirado do cenário político mundial.

O segundo é o que destrói Jerusalém no ano 70. General Tito, filho do imperador Vespasiano.
E o terceiro é o impostor que se assenta no trono de Deus querendo parecer Deus.
  
2.3 O intervalo que precede a septuagésima semana.

O grande intervalo foi dado para que o povo gentio tivesse a oportunidade de conhecer o Reino de Deus e do Messias.

III – OS PROPÓSITOS DA SEPTUAGÉSIMA SEMANA.

3.1 Revelar o homem do pecado.

O autor dá os nomes a que se atribui a uma única pessoa; o Anticristo, no campo das visões de Daniel.

O “rei” de cara feroz
O “chifre pequeno”
“O animal terrível e espantoso”.

Ele não tarda a assumir politicamente a mais influente forma de governo, seguido de grandes sinais e prodígios.
  
3.2 A grande tribulação.

Confesso que somente com a rede social, tomei conhecimento do tamanho da discussão que se faz em torno do assunto; tribulação.

Fecha-se a discussão em torno da seguinte afirmativa: Não experimentaremos a grande tribulação, exceto, os crentes que por descuido ficarem após o arrebatamento.

Quando ocorrerá o arrebatamento da igreja e o surgimento do Anticristo no cenário mundial? Pensemos no encontro das águas do Rio Negro com o Solimões, parece haver uma grande mistura considerando a exiguidade do tempo entre um evento e outro, porém, cada água toma o seu rumo.

3.3 Revelar a vitória gloriosa do Messias.

Peço que o professor leia este tópico com muita calma para que os alunos saboreiem o momento mágico em que o verdadeiro Messias, JESUS, irá dominar por completo este mundo, mudando toda a sua trajetória.

Por esta, os Testemunhas de Jeová, não esperam, pois, para eles, o reino já está estabelecido e dão diversas datas, quando se sentem enganados, mas, nunca desistem.
Paciência.