Tradução deste blog

quarta-feira, 24 de maio de 2017

HULDA, A MULHER QUE ESTAVA NO LUGAR CERTO, EBD Lç.9 28/05/2017

EBD LÇ. 9 28/05/2017 “HULDA, A MULHER QUE ESTAVA NO LUGAR CERTO”.
O que escrevo com base nos textos da lição, representa o meu pensamento e o que posso extrair para o ensino na Escola Bíblica Dominical, lembrando que os alunos não são estudantes de Teologia, mas precisam usufruir de um bom e seguro ensinamento.  Eles funcionam como polinizadores;  sim, eles dão fruto para o Reino de Deus.

PONTOS:
I – QUEM FOI HULDA.
II – HULDA VÊ O TEMPO DO AVIVAMENTO.
III – HULDA É USADA POR DEUS.

 Hulda, Micaias, Jeremias eram profetas que não vendiam suas revelações.




I – QUEM FOI HULDA.

1.1      Hulda.

 Como em estudos anteriores, as informações sobre alguns personagens são escassas, todavia a pouca informação que temos nos obriga a uma leitura a partir dos feitos e assim acontece em relação a Hulda.

Vejam que pelo fato de ter sido procurada, tinha um nome conhecido e não temia quando precisava falar ou profetizar. Fez-me lembrar do Micais filho de Inlá, IRs 22:9.


1.2 Atividade que exerceu.

Devia ter suas atividades locais, possivelmente colaborando no trato das roupas reais,  sacerdotais e algo semelhante.

Temos muitos assuntos bíblicos que não tem tanta relevância no estudo e conhecimento a não ser como informação e é exatamente nessas questões que muitos armam uma verdadeira contenda.


1.3 Deus ouviu Hulda.

As pessoas fazem muito esforço para não querer entender o papel da mulher e o do homem na sociedade, todavia quando se trata de ouvir, falar e usar, Deus lança mão daqueles que tem caráter e amam a justiça, independente se é homem ou mulher. Só neste trimestre, estudamos sobre cinco importantes mulheres e lógico que tem mais.


II – HULDA VÊ O TEMPO DO AVIVAMENTO.

2.1 Josias promove verdadeiro avivamento.

Muito bem! Falamos de Josias com base nos textos bíblicos, sabendo como foi o seu reinado. Lógico que com oito anos, não tinha discernimento para governar um país; alguém muito sensato o assessorava. Fez um grande reinado, porque fez o que era reto aos olhos do Senhor.

Neste sentido, reporto-me a crianças que pregam e se descuidar, algumas, poderiam substituir muitos pastores que tem atitudes infantis.

O que incomoda neste momento em relação a crianças que pregam e pregam muito bem, são os abusados pais que as usam para fazer o pé de meia à custa da igreja. Já levam para o caminho do vício mercantilista.

Não posso deixar de considerar que há pastores que se fazem de morto. Querem abrilhantar o culto, mas não querem enfiar a mão no bolso para ajudar de forma conveniente os convidados.

2.2 Aboliu a idolatria.

Muito bom o texto do autor neste ponto em que fala vigorosamente sobre o “apoio de homens sérios” ministros ou secretários do pequeno rei. Deus era com ele, o staff (assessores) eram homens de Deus, tudo corria bem.

Nos dias atuais homens nada sérios se aproximam de ministros com o objetivo de ajudar e já sabemos o que de fato querem. Não é sem razão que temos espalhados, centenas de pastores sem a menor noção da verdadeira chamada.

O professor deve ser cuidadoso nisto, pois tem alunos que gostam de esticar a conversa.



2.3 Resgatou a Lei do Senhor.

Este ponto que trata da restauração da casa do Senhor por Josias e com vinte e seis anos, nos remete a muitas especulações sobre os dias atuais.

Sem pretender polemizar, mas a bagunça tomou conta. A liturgia sincera, que promove lágrimas, deu lugar a teatros, danças, movimentos e sem falar nas invencionices de mantos, mistérios e falsas profecias a que chamam de “igreja avivada”.

Peço a Deus que levante muitos Josias.

Há pastores que privam de ensinar corretamente a doutrina da Palavra do Senhor, no sentido geral, por achar que perdemos terreno pra os neopentecostais. Bobagem e se o pastor é sincero, homem de Deus, vale o que a Palavra do Senhor diz: “saíram de nós porque não eram de nós”.

“Saíram de nós, mas não eram de nós; porque, se fossem de nós, ficariam conosco; mas isto é para que se manifestasse que não são todos de nós”. 1 João 2:19


Há pastores grosseiros que empurram pessoas para fora da igreja e depois citam o texto acima. Aí não vale!
                        

III – HULDA É USADA POR DEUS.

3.1 A dura mensagem de Deus.

IIRs. 4:38 Estavam com Eliseu, os filhos dos profetas.
Havia muitos profetas em Israel e pelo texto de II Rs 4:38 formavam uma escola de profetas; diante de Eliseu, aprendiam a comunicar os recados de Deus.

O que isto nos leva a pensar? Nas escolas de teologia cujo papel deve ser a de transmitir, ampliar os conhecimentos bíblicos, porém muitos saem com o diploma achando que são pastores.

Estar aos pés de Eliseu não carimbava o passaporte para o exercício do verdadeiro profeta e depois, muitos  procuravam espaço na prta do rei, sendo por ele mantidos. Logicamente não falavam  o que  era mandado por Deus.

Não eram poucos.
“Então o rei de Israel reuniu os profetas até quase quatrocentos homens, e disse-lhes: Irei à peleja contra Ramote de Gileade, ou deixarei de ir? E eles disseram: Sobe, porque o Senhor a entregará na mão do rei”. IRs 22:6.

Hulda como Micaias ou Jeremias tinham o selo da chamada para o ministério. Isaias deixou o conforto do palácio e se tornou um dos maiores profetas de Israel.


3.2 Hulda profetiza para o rei Josias.

Jeremias teve uma dura luta contra o falso profeta Ananias que era ousado e desrespeitoso. Jr. 28.

Jr.23 9-11 Sobre os falsos profetas e em Fl. 3:2, os falsos obreiros, chamados pelo apóstolo, de cães.

Hulda  não vivia dos favores do rei mas na dependência de Deus e assim, foi como instrumento para levar a mensagem ao rei Josias.


3.3 O efeito da profecia sobre Judá e Jerusalém.

Neste ponto o autor pontua os resultados da obediência do rei.

-Convocou os anciãos de Judá e Jerusalém.
-Reuniu os príncipes e o povo na casa do Senhor.
-Fez um concerto  com Deus e levou o povo a esse limite.
-Aboliu a IDOLATRIA.

A idolatria não  é restrito a adoração de imagens de escultura, mas a tudo e todos que roubem a atenção devidas somente a Deus e ao seu filho Jesus Cristo, o verdadeiro Deus e a vida eterna.  IJo.5:20


domingo, 14 de maio de 2017

ABIGAIL, UM CARÁTER CONCILIADOR, EBD Lç. 8 21/05/2017

EBD LÇ. 8 21/05/2017 “ABIGAIL, UM CARÁTER CONCILIADOR".
O que escrevo com base nos textos da lição, representa o meu pensamento e o que posso extrair para o ensino na Escola Bíblica Dominical, lembrando que os alunos não são estudantes de Teologia, mas precisam usufruir de um bom e seguro ensinamento.  Eles funcionam como polinizadores;  sim, eles dão fruto para o Reino de Deus.

PONTOS:
I – ABIGAIL, UM POUCO DA SUA HISTÓRIA.
II – ABIGAIL DEMONSTRA SEU CARÁTER.
III – O RESULTADO DO CARÁTER DE ABIGAIL.

  
 Construir ou reconstruir amizade, apenas os sábios sabem como fazer.



I – ABIGAIL, UM POUCO DA SUA HISTÓRIA.

Uma história que não está ligada a capacidade de estratégia, força ou capacidade no jogo político, mas de uma mulher inteligente, sensível e acima de tudo, corajosa para enfrentar um marido “durão”.

1.1      Nabal, um homem de belial.

 ISm. 25:3  E era o nome deste homem Nabal, e o nome de sua mulher Abigail; e era a mulher de bom entendimento e formosa; porém o homem era duro, e maligno nas obras, e era da casa de Calebe.

Deixo o texto inicialmente para seguir o raciocínio do autor no tocante a origem de Nabal e à semelhança, dos filhos Arão, de Eli, de Samuel e tantos outros, mostrando que a identidade de cada um, é sua própria mesmo tendo no DNA a marca de alguém que passou pela história, como homem de Deus.

Acho interessante como a Bíblia declara no perfil de Abigail a sua beleza exterior, mas aponta os valores que fazem dela, uma mulher singular. Digo isto porque na atualidade, fazer referência a beleza de uma mulher, é transitar em terreno perigoso, talvez por conta da sociedade tão permissiva como a nossa, sem esquecer que muitos homens agridem a mulher de forma maliciosa.


1.2 Davi recorre a Nabal e é desconsiderado.

O autor reporta a grosseria de Nabal, quando deveria convidar o rei para sentar-se à sua mesa, servi-lo e franquear sua riqueza que não era pouca, tendo assim, a graça do rei, a sua proteção e possivelmente o reembolso daquilo que fora consumido, afinal de contas, Davi era um homem muito generoso e fiel.

I Cr. 21:24 “E disse o rei Davi a Ornã: Não, antes, pelo seu valor, a quero comprar; porque não tomarei o que é teu, para o Senhor, para que não ofereça holocausto sem custo. 

“(...) não tomarei o que é teu...”.


1.3 Davi resolve vingar a afronta.

Davi tomou 400 homens e resolveu com eles, vingar o desrespeito de Nabal ao rei, que, colocara Davi em “xeque” ou seja em situação de fragilidade diante dos seus soldados.

Ocorre na vida ministerial que muitos crentes agem com grosseria contra o seu pastor por alguma insatisfação e muitas vezes faz isto de forma pública colocando a autoridade pastoral em “xeque”.

Vingar nunca é a posição correta, mas no caso de Davi teria tentado fazer o mesmo, por tratar-se de uma questão de Estado. Como pastor, jamais!


II – ABIGAIL DEMONSTRA SEU CARÁTER.

2.1 Uma mulher prudente.

Na abordagem, o autor ressalta a atitude rápida diante do iminente perigo. Não deixou para o dia seguinte.

Sempre trazemos essas questões bíblicas para os nossos dias, usando-as como modelo de ação justa e correta. Abigail não levou em conta o que podia resultar, agir contra o marido, mas tinha consciência do perigo e evitou o pior.

Que problemas podem acontecer na igreja que tenhamos que agir como Abigail?

Ao longo dos anos, como pastor entendi que nem sempre é bom levar problemas ao pastor, principalmente quando alguém o ofende ou desafia sua autoridade a titulo de “desabafo” por estar triste com alguma coisa, porém aquelas que comprometem a estabilidade da igreja, devem ser alvos de atenção, primeiro, tentando resolver com a ajuda de uma pessoa séria e na impossibilidade, ao pastor, colocando-se como um ajudador, sem contudo exagerar para não piorar as coisas.


2.2 O caráter diligente e sábio.

Com uma carga de cereais, frutas e vinhos Abigail foi ao encontro de Davi com seus homens e assim, aplacou a ira do rei.

Na lição o autor chama a atenção para os ensinos de Jesus que mandou amar até os próprios inimigos.

Já dissemos acima que a situação era diferente  questões pessoais. Na questão pessoal, Davi poupou a vida de Saul por considerar principalmente a  posição dele como rei e ungido do Senhor. Davi não era um homem vingativo.

 Já enfrentei sérios problemas com pessoas, sem contudo guardar ressentimentos e engolindo as tristezas, pois dessas, não escapamos e só o tempo apaga e precisa apagar. Carregar mágoas é adoecer.

Perdoar é lembrar sem mágoas ou desejo de vingança.

2.3 O caráter conciliador de Abigail.

Recomendo ao professor, convidar um dos alunos para fazer a leitura deste tópico que até permitiria ser encenado, para tornar viva a atitude e humildade de Abigail diante de um rei furioso.

“Há! Senhor meu, minha seja a transgressão...”

 Isso quebrou o coração de Davi.

Palavras brandas desviam o furor.  Pv. 15:1
                        

III – O RESULTADO DO CARÁTER DE ABIGAIL.

3.1 Davi foi aplacado por Abigail.

O autor fala sobre a coragem de Davi ao enfrentar Golias, mas faltava a lapidação do caráter para enfrentar situações adversas.

O gesto de Davi é compreensível diante de situações adversas. Aprendi que o homem só fica melhor depois dos 40. A mulher aprende mais cedo, principalmente após o exercício materno.

Diz o autor: “Davi foi vencido pela palavra sábia e prudente de uma verdadeira mulher de Deus. Em muitos casos, sentimos falta “dessa mulher de Deus”. Mulher prudente que circula nos corredores da igreja no silencia da sua sabedoria, mas que sempre tem uma palavra apaziguadora.


3.2 Deus feriu Nabal.

Com certeza Nabal não fazia a menor ideia do que estava para acontecer não fosse a interferência da sua linda e sábia esposa.

Quando Deus fere, fere e alguns podem perguntar a razão!

A razão é simples. Tudo quanto foi escrito para o nosso ensino foi escrito. Rm 15:4 Lembremo-nos por quais razões Herodes foi ferido e morreu comido de bicho. Atos 12:23.

Deus não se deixa escarnecer. Gl. 6:7.

Davi não sujou suas mãos com o sangue de Nabal. Assim seja com nossas causas. Guarde-nos o Senhor que sujemos nossas mãos contra quem quer que seja.


3.3 Davi toma Abigail por sua esposa.

Nabal é morto e Davi convida Abigail para ser sua esposa.

Davi agradece a Deus por tê-lo livrado de um grave erro.


ISm. 25-39-42 E, ouvindo Davi que Nabal morrera, disse: Bendito seja o Senhor, que julgou a causa de minha afronta recebida da mão de Nabal, e deteve a seu servo do mal, fazendo o Senhor tornar o mal de Nabal sobre a sua cabeça. E mandou Davi falar a Abigail, para tomá-la por sua mulher.
40 Vindo, pois, os criados de Davi a Abigail, no Carmelo, lhe falaram, dizendo: Davi nos tem mandado a ti, para te tomar por sua mulher.
41 Então ela se levantou, e se inclinou com o rosto em terra, e disse: Eis que a tua serva servirá de criada para lavar os pés dos criados de meu senhor.
42 E Abigail se apressou, e se levantou, e montou num jumento com as suas cinco moças que seguiam as suas pisadas; e ela seguiu os mensageiros de Davi, e foi sua mulher.

 O Salmo 40:1 é muito oportuno nos momentos de aflição.

“Esperei com paciência no Senhor...”.


domingo, 7 de maio de 2017

RUTE, UMA MULHER DIGNA DE CONFIANÇA, EBD LÇ. 7 16/05/2017

EBD LÇ. 7 16/05/2017 “RUTE, UMA MULHER DIGNA DE CONFIANÇA.
O que escrevo com base nos textos da ÇAlição, representa o meu pensamento e o que posso extrair para o ensino na Escola Bíblica Dominical, lembrando que os alunos não são estudantes de Teologia, mas precisam usufruir de um bom e seguro ensinamento.  Eles funcionam como polinizadores;  sim, eles dão fruto para o Reino de Deus.

PONTOS:
I – RUTE, UM RESUMO DA SUA ORIGEM.
II – O CUIDADO DE NOEMI E O CARÁTER DE RUTE.
III – COMO RUTE ENTROU NA GENEALOGIA DE JESUS.


                   Corações generosos movem o coração de Deus


  
I – RUTE, UM RESUMO DE SUA ORIGEM.

1.1 Uma estrangeira.

A história de Rute vem carregada de bons ensinos e o mais importante, mostra que a sentença de Deus para muitas nações que foram hostis com Israel, não se aplica a figura do ser natural quando sua vida revela atitude justa, assim o autor declara:
“Se houvessem sido observados os preceitos da lei, ela jamais poderia fazer parte da linhagem do povo de Israel”.

História com particular semelhança temos na vida de Raabe, a meretriz que morava sobre os muros de jericó. (Josué 6).

1.2 Como Rute vinculou-se a uma família israelita.

Elimeleque e Noemi emigraram para os campos de Moabe com os filhos Malon e Quiliom.

Os jovens a despeito dos cuidados com a miscigenação, casaram-se com mulheres moabitas, Rute e Orfa.

O destino pregou-lhes uma peça: Marido e filhos morreram naquela região deixando três viúvas e uma história de amor e fé que atinge em cheio os nossos corações e mais uma vez, mostra a bondade de Deus para com as pessoas naturais, independente da nacionalidade.

Deixa para nós os crentes, preciosas lições que obviamente não pode ser praticada de maneira desregrada; cada caso é um caso quando se trata de “jugo desigual”. É preciso procurar conhecer a pessoa com quem se pretenda relacionar.

O ensino bíblico de Paulo a respeito é muito claro:
“Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? 2Co. 6:14

Veja que o texto diz, com os “infiéis”.  A infidelidade no texto, trata de pessoas que não compartilham das mesmas esperanças.  

Na dispensação da graça, ninguém é tratado pela nacionalidade.

1.3 Em direção à terra de Judá.

O retorno a terra de Judá, dez anos depois revelou a linda declaração de amor e fé da parte de Rute.

Nunca consegui ver Ofra como uma mulher infiel, mas sem a fé suficiente e sem propósitos que a fizesse migrar com sua sogra Noemi.


II – O CUIDADO DE NOEMI E O CARÁTER DE RUTE.

2.1 Um amor sincero e profundo.

As duas amavam Noemi o choro foi algo sincero e a decisão de cada uma foi tomada.

Exalta-se neste tópico, o caráter, o respeito e o amor de Noemi pelas noras. Não quis induzi-las a fazer o que não pretendessem além da preocupação em como seriam tratadas chegando em Israel.

2.2 O caráter amoroso de Rute.

Este ponto da lição é o mais longo, vamos então resumir e abordar os principais pontos mantendo a sequência do autor:

a) Um caráter amoroso e confiante caracteriza Rute que pede a Noemi que não a inste para que fique em Moabe. Decide estar com sua sogra e a delaração é simplesmente fantástica: “Onde quer que tu fores irei eu, onde quer que pousares também pousarei.

Lembrei-me do amor de Jônatas para com Davi e sua disposição em protegê-lo.

Sinceridade no relacionamento é tudo.

b) O teu povo é o meu povo e o teu Deus é o meu Deus; dispensa comentários.

c) Onde quer que morreres, morrerei eu e ali serei sepultada. Isto fecha toda questão em relação a integridade do caráter de  Rute.





III – COMO RUTE ENTROU NA GENEALOGIA DE JESUS.

3.1 Rute chega a Belém.

Elas chegaram a Belém no perído da sega do trigo.

Foram bem acolhidas pelos compatriotas que não questionaram o fato da família ter ido para Moabe, fugindo da fome. Isto nos traz a lembrança como não devemos tratar aqueles que saíram do convívio da igreja e posteriormente retornaram. Todos precisam ser amados e não questionados.

Toda pessoa (sensata) tem um juiz em sua consciência.


3.2 Rute atrai a atenção de Boaz.

Há pontos importantíssimos para serem comentados com os alunos:

a) A disposição de Rute em buscar serviço e coincidentemente, no campo de Boaz que era um “remidor” ou seja, aquele que devia casar com a viúva para suscitar nome ao defunto. A mão de Deus já a conduzia para o “gran finale”.
b) Os cuidados de de Boaz em deixar os grãos nas divisas da propriedade para que os pobres pudessem colher o seu pão.

Lv.19:9  Quando também fizerdes a colheita da vossa terra, o canto do teu campo não segarás totalmente, nem as espigas caídas colherás da tua sega.

c) Como Boaz tratou Noemi e que conceito tinha dela:

Rute 2:11-12 E respondeu Boaz, e disse-lhe: Bem se me contou quanto fizeste à tua sogra, depois da morte de teu marido; e deixaste a teu pai e a tua mãe, e a terra onde nasceste, e vieste para um povo que antes não conheceste. O Senhor retribua o teu feito; e te seja concedido pleno galardão da parte do Senhor Deus de Israel, sob cujas asas te vieste abrigar.



3.3 Rute casa com Boaz.

a) Havia outro remidor além de Boaz

Rt. 3:12,13  “Porém agora é verdade que eu sou remidor, mas ainda outro remidor há mais chegado do que eu.
Fica-te aqui esta noite, e será que, pela manhã, se ele te redimir, bem está, que te redima; porém, se não quiser te redimir, vive o Senhor, que eu te redimirei. Deita-te aqui até amanhã.


b) Boaz foi em tudo, um homem correto no seu proceder; não abusou de Rute como muitos outros fariam. Tratou-a com benignidade, respeitou a lei que tratava da remissão e finalmente casou-se com ela.

Boaz e Rute tiveram filhos.


Raabe (liberta da cidade de Jericó e da vida que vivia, entrou para a linhagem de Jesus) ela foi a mãe de Boaz que por sua vez, gerou a Obede, avô de Davi. O pai de Davi, Jessé,  era filho de Obede e neto de Rute.

Agora diga se Deus é ou não é maravilhoso em tudo o que faz?



sábado, 6 de maio de 2017

JONATAS, UM EXEMPLO DE LEALDADE, EBD Lç.6 para 07/05/2017.

EBD LÇ. 6 07/05/2017 “JONATAS, UM EXEMPLO DE LEALDADE”.

O que escrevo com base nos textos da lição, representa o meu pensamento e o que posso extrair para o ensino na Escola Bíblica Dominical, lembrando que os alunos não são estudantes de Teologia, mas precisam usufruir de um bom e seguro ensinamento.  Eles funcionam como polinizadores;  sim, eles dão fruto para o Reino de Deus.

PONTOS:
I – CIRCUNSTÂNCIAS QUE UNIRAM JÔNATAS E DAVI.
II – UMA AMIZADE APROVADA POR DEUS.
III – O CARÁTER DE JONAS E SUAS LIÇÕES.

Devido os meus compromissos profissionais com o Leão e meus clientes, quase deixo passar esta lição e espero que sua publicação ainda tenha a utilidade necessária.


                     Amizade sem sinceridade é melhor não tê-las.


  
I – CIRCUNSTÂNCIAS QUE UNIRAM JÔNATAS E DAVI.

1.1 Quem era Jônatas.

Como sempre falo, este tópico que faz referências a Jônatas e sua origem, dispensa comentários, todavia o faço por conta daqueles que não acompanham Escolas Dominicais.

Jônatas filho do rei Saul cujo nome significa “presente de Deus”, foi um guerreiro valente. A referência citada pelo autor, ISm 14:1-14 descreve a vitória dele sobre os filisteus em Micmás, sua estratégia se assemelha a estratégia de Gideão para com 300 vencer os midianitas, claro que de outra forma de operação e a confiança que tinha no Senhor. O texto declara ainda, sua coragem e ânimo em realizar o que precisava ser feito. Louvado seja Deus.

1.2 Uma batalha que mudou a história.

O desafio e as ameaças feitas pelos filisteus tendo a frente, um verdadeiro tanque de guerra chamado Golias que retinha o exército de Israel no lado oposto do vale totalmente desencorajado.

1.3 A presença de Davi.

A vitória do jovem Davi, pastor de ovelhas, um adolescente, com apenas uma funda e cinco pedras do ribeiro,  mudou toda a história; da nação, do rei, dele próprio e principalmente de Jônatas que se afeiçoou a Davi.

Davi tinha ido ao encontro dos seus irmãos no campo de batalha para levar alguns alimentos, vendo o tamanho do filisteu desafiador que gritava pedindo um homem para lutar com ele,  Davi foi ao rei e ofereceu-se para entrar na peleja. A vitória foi assombrosa e os filisteus fugiram para dar um bom tempo de folga em suas provocações.


II – UMA AMIZADE APROVADA POR DEUS.

2.1 Jônatas torna-se amigo de Davi.

A vitória de Davi sobre o filisteu deu a Israel um novo alento; reacendeu a alegria do rei que levou Davi ao palácio para premia-lo e acima de tudo, uma amizade muito forte nasce entre Davi e Jônatas. Uma amizade inseparável e sincera, aquela amizade que todos nós gostamos de conquistar.

Sinceridade acima de tudo foi o selo dessa amizade.

2.2 Uma amizade fiel e duradoura.

Não posso deixar de registrar as palavras iniciais dessa amizade.

ISm. 18:1
E sucedeu que, acabando ele de falar com Saul, a alma de Jônatas se ligou com a alma de Davi; e Jônatas o amou, como à sua própria alma.

Hoje fazem mau uso da palavra “homoafetiva” que deveria marcar as amizades sinceras sem qualquer conotação de sexualidade e muito menos de relação marital ou conjugal.

2.3 Uma aliança do Senhor.
ISm 18:3-4 Mostra o desenrolar dessa amizade.
E Jônatas e Davi fizeram aliança; porque Jônatas o amava como à sua própria alma. E Jônatas se despojou da capa que trazia sobre si, e a deu a Davi, como também as suas vestes, até a sua espada, e o seu arco, e o seu cinto.

Neste ponto o autor trata da crítica mundana que associam Jônatas e Davi aos relacionamentos homossexuais e neste momento, lembro a declaração de Davi diante da morte de Saul e Jônatas.

IISm. 1:25-27 Vejam a declaração de Davi sobre Jônatas.
Como caíram os poderosos, no meio da peleja! Jônatas nos teus altos foi morto. 6 Angustiado estou por ti, meu irmão Jônatas; quão amabilíssimo me eras! Mais maravilhoso me era o teu amor do que o amor das mulheres.
Como caíram os poderosos, e pereceram as armas de guerra!

Claro que usam o texto bíblico para concluir que o sentimento de ambos ia além da afetividade como homens de Deus.

Jônatas tinha mulher e filho, o Mefibosete e Davi havia se casado com Mical irmã de Jônatas e ambos sabiam o quanto era abominável a relação física entre pessoas do mesmo sexo.


III – O CARÁTER DE JÔNATAS E SUAS LIÇÕES.

3.1 Um homem de coragem.

Poucos homens tinham o perfil e caráter de Jônatas; corajoso, temente a Deus, um grande estrategista que não dispensava a providência do Senhor, além das qualidades morais; a sua lealdade como amigo que em muitas ocasiões livrou Davi de morrer sob a ira do seu pai.

O autor nos leva a refletir com base na vida de Jônatas e Saul que o filho não carrega a natureza do pai. Cada um tem e cultiva sua própria identidade.
  
3.2 Um homem humilde.

ARecomendo aos professores a leitura em classe interagindo com os alunos para que absorvam bem o que o autor fala neste tópico. Muito importante.

O autor classifica Jônatas como homem humilde pelo fato de ter compreendido que Davi era o homem indicado para ser o rei, mesmo sendo ele, Jônatas,  o natural sucessor ao trono.

Exemplo que muitos crentes abriram mão nos nossos dias quando pleiteiam cargos nas igrejas.

3.3 Um homem leal.

Durante toda a vida, Jônatas devotou a Davi uma amizade sincera.

Esta lição nos traz a lembrança os amigos que ganhamos e os que perdemos por conta da “lealdade” ou falta dela.

Já sofri perdas e sei o quanto é duro e já conquistei amizades sinceras e mantidas até o dia de hoje.

Lembrar que de Jesus a Bíblia diz que tendo amado os seus, amou-os até o fim.

Seja assim. Não troquemos os melhores amigos por cargos na igreja. Os cargos se vão e os amigos podem ser eternizados enquanto vivermos.


Jo. 13:1 Ora, antes da festa da páscoa, sabendo Jesus que já era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, como havia amado os seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim.