Tradução deste blog

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

A NECESSIDADE DO NOVO NASCIMENTO - EBD LÇ. 07 13/08/2017

EBD LÇ. 07  13/08/2017 “A  NECESSIDADE DO NOVO NASCIMENTO”.

O que escrevo com base nos textos da lição, representa o meu pensamento e o que posso extrair para o ensino na Escola Bíblica Dominical,  lembrando que os alunos não são estudantes de Teologia, mas precisam usufruir de um bom e seguro ensinamento.  Eles funcionam como polinizadores;  sim, eles dão fruto para o Reino de Deus.

Aos Irmãos coordenadores de EBD:  Não torne a lição, um caderno inútil, fazendo valer os seus argumentos, um estudo à parte desta ferramenta. Recebo muitas reclamações de irmãos frustrados por conta disso. Há quem crie argumentos, tão à parte, que neutraliza até o tema proposto para estudo.

PONTOS:
I – UM LÍDER RELIGIOSO BEM-INTENCIONADO.
II – O NOVO NASCIMENTO
III –  UMA NECESSIDADE.


O novo nascimento não é um "instituto eclesiástico" e se dá a conhecer pela mudança efetiva de rumo e comportamento humano no plano da salvação. 

I – UM LÍDER RELIGIOSO BEM-INTENCIONADO.

1.1 Quem era Nicodemos.

O autor descreve Nicodemos, o significado do seu nome e o que representava político religiosamente, assim, ele era da seita dos fariseus.
sendo fariseu, porém diferente. Havia nele, algo de justo e queria descobrir o que faltava.

Os dois textos a seguir, define a personalidade e o grau de justiça desse homem e nos dá uma rica lição: Não se deve julgar este ou aquele por conta da sua religião ou ideologia. O tal  pode ser mais uma vítima do sistema.

(Jo.7:50,51) “Nicodemos, que era um deles (o que de noite fora ter com Jesus), disse-lhes:  Porventura condena a nossa lei um homem sem primeiro o ouvir e ter conhecimento do que faz?”.

(Jo.19:39) E foi também Nicodemos (aquele que anteriormente se dirigira de noite a Jesus), levando quase cem arráteis de um composto de mirra e aloés.

1.2 Os fariseus.

O professor não precisa fazer um tratado da vida dos fariseus. As informações bíblicas nos mostra que tínhamos aí, uma religião misturada com política que nunca deu certo,  portanto uma gente gananciosa, infiel e tudo o mais que deles disse o Senhor em (Mt.23) “... fariseus hipócritas...”.


1.3 Os sinais efetuados por Jesus.

 (Jo.2:23)  “... e, estando ele em Jerusalém pela páscoa, durante a festa, muitos, vendo os sinais que fazia, creram no seu nome.”.

Façamos ideia do que isto representava naqueles dias e logo após as incessantes pregações de João Batista no deserto: “É chegado a vós o Reino dos Céus...”. (Mt.4:17).

Esse movimento atraiu Nicodemos.

II – O NOVO NASCIMENTO.
Pode ser exagero considerar que a doutrina que trata do “Novo Nascimento” seja a maior e a mais desprezada doutrina por significativo número de  igrejas tradicionais  e totalmente pelas igrejas neopentecostais?  Considero esta doutrina como a porta de entrada do Reino de Deus.

Não foi sem razão que  o próprio Senhor disse: “Aquele que não nascer de novo não pode ver e não pode entrar no Reino de Deus” (Jo.3:3 e 3:5).

2.1 É necessário nascer de novo

No tocante a investida de Nicodemos, pode ser dada qualquer interpretação  sobre o que ele esperava do Senhor e nos remete a ida do general Naamã à casa do profeta Eliseu;  sobre o que ele esperava do profeta. (2Rs.5:19)

Nicodemos só queria conhecer o Senhor e ouvir algo dele. Deve ter abraçado a causa, pelas ações posteriores.

2.2  Regeneração.

Confesso não apreciar muito a palavra “regeneração” quando se trata da doutrina do “novo nascimento”,  e não penso que os textos sagrados no tocante a este tão importante assunto, saia prejudicado por conta do nosso vernáculo. Regenerar dá ideia de recuperação, reconstituição ou renovação moral e é assim que lemos nos dicionários.

Se posso tentar explicar aos alunos algo consistente a respeito, até posso associar com a “geração” de Cristo: “Por obra e graça do Espírito Santo...”. (Mt. 1:20).

Vamos à Pedro: (IPd. 1:23) “Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para sempre..

“Semente incorruptível, pela palavra de Deus...” Isto explica como muitas pessoas ao receberem Cristo em seus corações pela pregação da palavra da fé viram totalmente as costas para o mundo que não significa sair dele, mas dos seus desenfreamentos e da linguagem espúria.

O subsídio bibliológico na página 51 também dá essa ideia.

2.3 A perplexidade de Nicodemos.

Vamos isolar alguns pontos importantes desse tópico:

1 – Muita gente pensa que Deus está preocupado com religião.
2 – “Mas essas pessoas estão enganadas, pois a vontade de Deus é a comunhão com as suas “criaturas inteligentes”...”.
3 – “Não significa seguir um conjunto de regras religiosas ou éticas.

É preciso tomar cuidado para não fazer má aplicação das palavras do autor:

- Claro que Deus não está preocupado com religião, pois caso contrário não teria enviado seu filho ao mundo, pois religião é coisa que não falta. As coisas estão sendo banalizadas de tal forma que as pessoas estão valorizando mais a “placa” do que o conteúdo.

- “Criaturas inteligentes” é o que nos separa dentro do reino animal. Não vale pensar que Deus tem predileção pelo “QI”  humano.


III – UMA NECESSIDADE.

3.1 O Estado humano.

O estado humano é mostrado na Bíblia, de muitas formas. A primeira é com relação ao pecado dito “original” quando e por ele, todos pecaram. A segunda  é mostrada  pela crescente violência  nos primeiros anos de vida da criação (Gn.4:23 e Gn.6:5) piorando neste final de tempo e com certeza pela aproximação das pessoas e  rapidez de informações promovidas pela Internet ou “rede mundial de comunicação”.

Penso que o pecado sob as mais variadas formas, cresceu em práticas vergonhosas e em violência urbana.


3.2 Saulo de Tarso.

Temos aqui neste tópico um texto rico do autor e causa de muitas discussões e dúvidas principalmente em lares cristãos, cujos filhos ficam à perguntar: “Preciso nascer de novo ou a herança do exemplo deixado pelos pais me construiu?
                                                                                             
O autor usa a figura e vida de Saulo para mostrar que religião e vida religiosa não diplomam ninguém para o céu nem promove o Novo Nascimento que é o tema abordado.

Vamos falar dos nossos filhos.

Os filhos são santificados pelos pais, se permanecerem na obediência e em crescente amor a Cristo a exemplo de Timóteo.

(2Tm. 1:5)  Trazendo à memória a fé não fingida que em ti há, a qual habitou primeiro em tua avó Lóide, e em tua mãe Eunice, e estou certo de que também habita em ti.”.

“Estou certo que habita em ti.”.

O momento em que acontece o novo nascimento em nossos filhos é muito impreciso e nada tem a ver com o “levantar de mãos” naquele culto aquecido pela mobilização do povo sob o comando do pregador, salvo quando  a mensagem for inteiramente bíblica ou ‘cristocêntrica”  e sem emocionalismos. O gesto de ir à frente pode revelar que houve sim, o despertar pelo novo nascimento.

Considero que a ideia de que o filho de crente não é crente e que precisa aceitar Jesus é uma ideia muito subjetiva; costume nosso. Filho de crente é crente sim e quanto ao novo nascimento é algo pessoal que não cabe à terceiros, inferir-se na questão que é de ordem pessoal e íntima entre cada um e Deus.


3.3 O centurião Cornélio.

Eba! Que texto rico oferecido pelo autor.

Vale a pena fazer leitura dele em classe.

O que não vale? Institucionalizar a doutrina da eleição pelo pensamento de Calvino que Cornélio era um eleito e que Deus apenas cumpriu seu propósito de busca-lo.

“Porque tudo o que dantes foi escrito, para o nosso ensino foi escrito”  (Rm.15:4).

Os emblemáticos casos como o de Cornélio e Saulo foram trazidos ao nosso conhecimento para mostrar que Deus está atento a cada passo do homem, tanto o bom quanto o ruim em termos de comportamento e que ama os que amam a justiça, exceto Saulo que se mostrou um abortivo tanto para a salvação como para o apostolado.

Deus promove meios para abençoar o homem e alcança-lo.

Sempre digo que as exceções de Deus não podem ser transformadas em regras por nós.

Ninguém pode ficar de fora do novo nascimento e querer considerar-se salvo. O novo nascimento é mostrado na vida das pessoas quando elas corajosamente rompem com a forma de viver segundo o mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário