Tradução deste blog

domingo, 19 de fevereiro de 2017

FIDELIDADE, FIRMES NA FÉ, EBD Lç. 9 26/02 subsídio.

EBD – SUBSÍDIO – LIÇÃO 9 26/02/2017
“FIDELIDADE, FIRMES NA FÉ”.
PONTOS A ESTUDAR:
I – O SIGNIFICADO DE FIDELIDADE.
II – IDOLATRIA E HERESIA, UM PERIGO À FIDELIDADE.
III – SEJAMOS FIEIS ATÉ O FIM.

 Hb.6:17-20 -  A turbulência do presente século pode fazer balançar o navio, menos arrasta-lo em suas ondas impetuosas. DIGAMOS NÃO,  ÀS HERESIAS.
 


I – O SIGNIFICADO DE FIDELIDADE.

1.1       Definição.

Somos uma geração privilegiada. Enquanto digitamos ou lemos um texto, podemos recorrer aos vários dicionários existentes na rede mundial.

Já que falamos à professores, considerando a razão de nem todos sermos especializados na nossa gramática, todavia ao escrever alguma coisa e principalmente nas redes sociais, consultar palavras sobre as quais pesam alguma dúvida quanto a escrita ou até mesmo na fala.

Para fidelidade temos que é a característica do fiel. Fiel amigo e fiel servo.

Em relação a nossa comunhão a fidelidade precisa ser preservada mesmo que em algum momento a amizade venha ser interrompida. Há pessoas que depois de romper a amizade, resolve jogar ao vento tudo o que compartilhara no período do bom relacionamento.


1.2       A fidelidade como fruto do Espírito.

 Novamente uma virtude relacionada ao Espírito do Senhor ou Espírito Santo.

A razão é bem simples: Encontramos na vida muitas pessoas fieis sem serem crentes, mas ao aceitarmos a fé e nos tornarmos participantes dos dons celestiais, o Espírito do Senhor torna cada questão relacionada à nossa identidade moral, algo especial.

1.3 A fidelidade de Deus.

O autor trata neste ponto a fidelidade como sendo um atributo de Deus e com razão. Sendo um atributo de Deus, Deus  permanece fiel e sempre foi assim desde o princípio da criação do homem quando inicia a interação direta entre Ele e nós.

Deve ser também essa a nossa postura em relação a Ele. Ser fiel até a morte.

Deixo de citar muitos textos da Bíblia em relação a este assunto por considerar o texto do autor, completo para o tempo de aula nas EBDs.

Não sendo frequentador, recomendo usar a concordância bíblica e procurar sobre “fidelidade”.  Muitos não se dão conta da importância dessa concordância e a maioria ds novas versões, salvo melhor juízo, não vem com esse componente tão importante.



II – IDOLATRIA E HERESIA: UM PERIGO À FIDELIDADE.

2.1 O que é idolatria?

O autor trata este assunto com uma ampla explicação tomando como exemplo dos períodos na vida de Israel:

O primeiro diante do Sinai. Enquanto Moisés falava com Deus, o povo apertava com Arão para construir “deuses” e na verdade, uma imitação do touro Àpis, adorado no Egito como divindade e já no período regencial, a idolatria de Jeroboão.

Fonte: Wikipédia. “O "morto-vivo" (Osíris) encarnou num touro branco sagrado. Era o touro de Mênfis, simbolicamente representado como um touro negro com um triângulo branco na testa e o disco do sol entre os chifres.”.

É impressionante como os homens tem uma forte tendência de trocar o certo pelo duvidoso.


2.2 A idolatria no Novo Testamento.

A igreja no princípio enfrentou entre outros problemas, a idolatria, perceba-se que isto está ligado ao espirito religioso de todo ser humano. Só Jesus liberta.

No Brasil a nossa Assembleia de Deus encarou essa luta ao descer do extremo norte para o sul do país. Foi a sua missão desbravadora.

Quero tomar a seguinte frase do autor: “Qualquer pessoa ou objeto a que nos dedicamos com extremada atenção e que não podemos viver sem os quais, podem se tornar um ídolo.”.

Este tem sido um dos assuntos mais discutidos em toda rede social.

Não é proibido nem pecado amar alguém de projeção, todavia ninguém é mais importante que o Senhor e a nossa convivência saudável com a igreja que frequentamos.



2.3 O que significa heresia?

Imagine um trem seguindo de um ponto ao outro sem desviar a sua rota por conta dos trilhos que o mantém nessa linha.

Heresia é no sentido prático, inventar uma linha opcional. A linha é marcada pelo ensinamento bíblico em toda sua extensão.

A heresia pode ser extraída do Antigo Testamento e tem sido a forma mais comum em uso,  quando tomam textos isolados para conduzir o povo em um caminho duvidoso como a doutrina da prosperidade e a confissão positiva entre outras.

Tem muita coisa praticada nos chamados movimentos evangélicos que de evangélico, não tem nada que nem chamo de heresia, mas de lixo mesmo.

Tudo o que corre fora das Escrituras deve ser trada como heresia.

III –  SEJAMOS FIEIS ATÉ O FIM.

3.1 Olhando para o passado.

Base doutrinária com que fomos criados. Se a nossa avaliação está correta e confere com a maioria dos homens sérios que conduzem a obra de Deus, sem interesses mesquinhos ou popularescos; amém. Mantenhamos firmes a nossa confissão até o fim.

Todo desvio parte sempre de uma mente insana que se afasta do corpo de Cristo que é a igreja.

 
3.2 A fé que nos ajuda a permanecermos fieis.

O texto do autor é curto e retrata bem o que pretende em relação a fé.

Para quem não frequenta EBD, portanto sem acesso à Lição Bíblica utilizada e fruto deste subsídio, quero apenas considerar:

A própria Palavra de Deus trata a fé como sendo uma só:

“(...)  Um só Senhor, uma só fé, um só batismo (...)”. Ef. 4:5.

A fé cresce na proporção direta da nossa caminhada para o  fim que buscamos; poder, dons, curas e a própria salvação.
  
3.3 Seja fiel.

Confesso que ao longo da minha caminhada no Evangelho,  52 anos, nunca vi um período tão tremendo que exija fidelidade a Deus nas mínimas coisas da vida.

Fidelidade sem extremismos.



quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

A BONDADE QUE CONFERE VIDA, EBD LÇ.8 19/02/17. Subsídio.


EBD – SUBSÍDIO – LIÇÃO 8 19/02/2017
“A BONDADE QUE CONFERE VIDA”.
PONTOS A ESTUDAR:
I – A BENIGNIDADE FUNDAMENTA-SE NO AMOR.
II – A PORFIA FUNDAMENTA-SE NA INVEJA E NO ORGULHO.
III – REVISTAMO-NOS DE BENIGNIDADE.


 QUEM MANTÉM OS BRAÇOS ENCOLHIDOS NÃO PODE FALAR EM BONDADE.

I – BONDADE: O FIRME COMPROMISSO.

1.1       A bondade como fruto do Espírito.

Sabemos que a presença do Espírito do Senhor em nossas vidas produz frutos maravilhosos e nessa questão, muitos são envolvidos por enormes inquietações a qual passamos a pontuar:

Todos os crentes, nossos conhecidos de dias, meses e anos e alguns participando da mesma mesa e até batizados com o Espírito Santo, não obstante o batismo não representar o caminho para o desenvolvimento dos valores espirituais, apenas o acesso aos dons, não mostram esse fruto e cabe perguntar, o que falta?

Em contra partida, conhecemos muitas pessoas, sem a orientação que recebemos, exercitam a bondade com mais frequência e eficácia, o que sobra?

Só encontro como resposta, que muitos não se deixam envolver pela graça do Senhor de forma plena e outros não se desapegam dos valores terrenos, mesmo conhecendo a verdade.


1.2       A bondade de Deus.

 A bondade de Deus como prova do seu amor é extensiva a todos os homens, mas a bondade dos homens  recaem sobre aqueles a quem quer.

1.3 Um homem bondoso e uma mulher bondosa.

O autor faz menção de Jó e com verdade, até pela preocupação de orar por aqueles que o julgava merecedor de todos os acontecimentos fortuitos.

A segunda referência está para Dorcas (atos 9:36) e esta sim, é uma grande referência para quem os olhos das mulheres cristãs deviam se voltar. Com certeza a voz do Evangelho seria muito melhor ouvida pelo mundo.


II – HOMICÍDIO, A DESTRUIÇÃO DO PRÓXIMO.

2.1 Não matarás.

Neste tópico o autor faz menção da lei de Moisés (Ex. 20:13) e outras advertências a respeito, fala do cuidado de Deus com quem mata acidentalmente contra o que faz de propósito, de forma criminosa.

Deus deixa ao homem, o maior exemplo de justo julgamento, estabelecendo as cidades de refúgio para aqueles que atingirem o seu próximo involuntariamente, (Dt.19:4-6).

Outros ensinos que estabelece como ordem sujeita a perda da salvação, o autor cita (IJo.3:15) onde o apóstolo declara que aquele que aborrece ao seu irmão é homicida e não tem permanecente nele a vida eterna. Isto é coisa séria.

Com relação a aborrecimento, aprendi que não se trata da nossa linguagem comum, aborrecer no sentido de momentaneamente causar tristeza a alguém.

ABORRECER – significa o limite da relação entre pessoas e lembro a conjugal em que um não suporta mais viver com o outro. O distrato conjugal é mais sério do que se possa imaginar.


2.2 Aborto a morte de um inocente indefeso.

Importante o conteúdo do tópico o que recomendo sua leitura em classe.

O aborto é um crime e a vítima não pode se defender, sendo um ato terrível e geralmente praticado para esconder um adultério ou uma gravidez indesejada no caso de solteiros.

Não se exclua também o caso de casais que não desejam filhos e apelam para o aborto.

2.3 O primeiro homicídio.

O autor faz referência ao crime de Caim contra o seu irmão Abel e nisto ficamos sabendo duas coisas importantes:

- Todo mal cometido sujeita-se ao julgamento divino. “Deus não se deixa escarnecer, aquilo que o homem semear, isso também ceifará”. Gl. 6:7. 

Alguns pagam nesta vida e outros, na eternidade.

III –  SEJAMOS BONDOSOS E MISERICORDIOSOS.

3.1 Servindo ao outro com amor.

Há duas coisas que um pastor precisa atentar para gozar de paz no seu ministério:
- Estimular a evangelização com base no testemunho pessoal.

- Estar sempre envolvido em alimentar a igreja de forma conveniente e estimular a prática do amor pela ação viva. Igreja que exercita o amor, não dá trabalho.

Aliás, é bom lembrar o que o Senhor disse a respeito:

“O mundo saberá que sois meus discípulos se vos amardes uns aos outros”. Jo.13:35.

 
3.2 Ajudando o ferido.

A parábola do Bom Samaritano responde a qualquer questão.

Quando passei por fases terríveis na minha vida, não faltou quem viesse me consolar e atribuo isto primeiramente a Deus e depois, a minha disposição de servir, de procurar curar feridas.

Tem muita gente que na igreja reclama da falta de visita, todavia o tal nunca dedicou qualquer tempo em levar socorro para outrem.

3.3 Ajudando os irmãos.

O autor trata das questões relativas aos domésticos da fé e a falta de assistência no convívio diário com a igreja.

A indiferença mata mais do que a fome.

Deixa-me esclarecer uma coisa:

O nosso povo sempre foi ensinado que o crente não pede esmolas e com razão, não pede mesmo e o que de fato acontece é que muitos irmãos tem vergonha de falar da sua necessidade e prefiro pontuar as razões.

1 – Vergonha de ter a sua situação exposta publicamente, principalmente se teve uma vida confortável e está passando por situação difícil.

2 – Vergonha de ser visto como um fraco na fé, como se o fato não acontecesse também com outras pessoas que sabem esconder sua situação.

3 – A igreja deveria ser o melhor lugar para derramar nossas lágrimas mas nem sempre isso é possível e daí, volto a dizer que o pastor tem grande responsabilidade pelo comportamento da igreja diante dessas questões.


sábado, 11 de fevereiro de 2017

BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIAS, EBD lç 7


EBD – SUBSÍDIO – LIÇÃO 7 12/02/2017
“BENIGNIDADE: UM ESCUDO PROTETOR CONTRA AS PORFIAS”
PONTOS A ESTUDAR:
I – A BENIGNIDADE FUNDAMENTA-SE NO AMOR.
II – A PORFIA FUNDAMENTA-SE NA INVEJA E NO ORGULHO.
III – REVISTAMO-NOS DE BENIGNIDADE.

                     O TEMPERO DA PALAVRA É O GESTO.


I – A BENIGNIDADE SE FUNDAMENTA NO AMOR.

1.1       O que é benignidade.

É sabido que há seres humanos não cristãos, mais benevolentes que muitos cristãos.

A comparação acima é normalmente feita quando se vê cristãos sem qualquer expressão de benignidade que é no espírito, mais do que um gesto de bondade e a razão é simples:

Há cristãos que por convencimento mudaram de religião e há cristãos que experimentaram o novo nascimento e amam obedecer a Palavra do Senhor. Sobre esse segundo grupo, repousa o Espírito da Graça de Cristo, estimulando o que podemos chamar de fato de “fruto do Espírito”.

Pelo Senhor nos é concedido uma natureza benigna; aquela que sabe amar e perdoar de fato.


1.2       Jesus, exemplo de benignidade.

 É natural que o Senhor seja sempre citado como exemplo em tudo e isto não pode ter sentido apenas na forma literal, mas precisamos seguir seus passos.

A omissão é algo tão pecaminoso e feio quanto é o adultério ou o roubo.

Tiago 4:17 “Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado.”.

Considerando o volume de pessoas nas igrejas e os que realmente fazem acontecer, chega a ser assustador mesmo sabendo que há os que fazem e ninguém fica sabendo. Nem me refiro sobre aqueles que formam grupos nas igrejas para movimentar os interesses em relação aos que precisam.

É preciso ensinar os irmãos a importância das boas e velhas visitas.

1.3 A benignidade na pratica.

Muito interessante o texto do autor neste ponto e é recomendável as leitura em classe por um dos alunos e que seja uma leitura apreciada.

Na prática, não é o que vemos e a o facebook tem sido um grande instrumento de avaliação do comportamento de muitos, haja vista que muitos se utilizam da ferramente para destilar veneno e outros, para desabafo. Traduza isto para a convivência dentro de uma igreja onde a intimidade reina.

O pastor tem que ser muito rápido nos ensinamentos e fazer de tal maneira que o individualismo seja destruído até suas raízes, mesmo sabendo que isto é impossível.

Se todos fossem perfeitos, acreditaríamos nos Testemunhas de Jeová que acham estar vivendo no “mundo novo”.

II – A PORFIA FUNDAMENTA-SE NA INVEJA E NO ORGULHO.


2.1 Inimizade e porfia.

É preciso compreender que a igreja ainda não é o céu e que ela recebe pessoas com todas as suas diferenças e variações na temperatura emocional.  Se compreendermos isto, a convivência será mais saudável.

O autor define o que é inimizade e o que e contenda.

A inimizade se molda na frustração, para aqueles que mal ensinados ou que jamais chegarão a compreender, esperam  do grupo que frequentam, acima do que for devido ou natural. Outra causa  reside invariavelmente na infidelidade no trato e nas palavras.

O ódio vai depender da intensidade com que a inimizade foi produzida.

A porfia como contenda decorre geralmente da imaturidade das partes.

A solução é pedir ao Senhor que encha os corações de amor.

2.2 Evódia e Síntique.

Fl. 4:2 Na Bíblia em linguagem contemporânea:
“Insisto em que Evódia e Síntique resolvam suas diferenças e façam as pazes...’.

Acho essa declaração exagerada.

Fl.4:2 Almeida, RC:
“... rogo a Evódia e a Síntique que sintam o mesmo no Senhor...”.

É natural que haja diferenças porquanto somos diferentes e únicos quando juntos olhamos para Cristo.

FILIPENSES 2:1-4.
Portanto, se há algum conforto em Cristo, se alguma consolação de amor, se alguma comunhão no Espírito, se alguns entranháveis afetos e compaixões,
Completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa. Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.

Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros.

Quero lembrar a “mordida” (Gl.2:11-14)  que Paulo deu em Pedro e com razão, como exemplo de fraqueza humana. Quanto mais nos aproximamos do Senhor  mais força teremos para vencer essas fraquezas.


2.3 Miriã e Arão.

O autor traz è lembrança, o trágico momento e que Miriã e Arão resolveram confrontar Moises. Muitos cometem o mesmo erro ainda hoje, assim devemos agradecer o autor pela oportunidade de relembrar esse episódio mostrados na Bíblia em Números Capítulo 12 com suas consequências.

O sentimento de inveja e orgulho tem feito muitos levantarem a mão contra fieis servos do Senhor.

III –  REVISTAMO-NOS DE BENIGNIDADE.

3.1 Retirando as vestes velhas.

Despindo-se da velha natureza, Cl.3:8.

Muitos pensam que a conversão e o novo nascimento retiram a velha natureza e coloca uma nova carregada de todas as virtudes. A mudança faz parte do crescimento espiritual e são ferramentas: A leitura da Bíblia, a frequência aos cultos e a convivência com os irmãos. Esse conjunto vai formando o homem interior.

Na leitura da bíblia, a escada que nos aproxima de Deus.
 
3.2 Sede benignos.

A benignidade para mim, está acima do gesto de bondade. A benignidade coexiste em Cristo e dessa forma, estaremos sempre dispostos a perdoar a todos indistintamente.

Perdoar é lembrar sempre, sem desejo de vingança ou revanchismo.

3.3 Imitando a conduta de Paulo.

Paulo podia se mostrar como exemplo dos fieis em tudo.

Lamentavelmente há muitos que não pode dizer a mesma coisa.


FINALIZANDO.
Aos professores de EBD. Devo pensar nesta lição como uma bela e grande exortação para que despertemos a consciência que a nossa tarefa não termina com a aula.


Se todos compreenderem a sua missão, saberão que suas atuações no seio da igreja tem um papel relevante e construtivo tornando esta lição um modelo de prática a ser seguida para o bem do povo de Deus.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

O DESTINO ETERNO DAS CRIANÇAS.

“O DESTINO ETERNO DAS CRIANÇAS”.


Causar danos a uma criança é afasta-la de Deus, porém os tais que fizerem mal responderão diante do seu trono.


Em primeiro lugar quero agradecer a Deus por ter adquirido há muitos anos, um livro com apenas setenta páginas, mas de um conteúdo magnífico acerca do tema:

“AS CRIANÇAS E O SEU DESTINO ETERNO” de autoria do pastor pernambucano Solon T. Gomes, editado em 1982 pela CPAD com cinco mil exemplares, guardei este livro com muito carinho e agora retomo à leitura para emprestar dele, algumas porções que nos ajudarão a entender melhor o que se pretende com o título.

Não conheço outro livro com abordagem semelhante.

Sempre que algo chama a minha atenção pelo  seu valor e que o assunto não é tratado de forma específica na Bíblia, advirto que não dou como ensinamento ou doutrina, mas como um pensamento sujeito a oposições.

Admitido que podemos ter compreensão de um texto e até diferente de muitos, todavia nenhum texto bíblico é de particular interpretação e também não se deve forçar interpretação para justificar um pensamento. (2Pd.1:20).

Assim Creio na salvação das crianças e descrevo a maneira de ver este importante assunto.

I - O DIREITO DO NASCITURO.

Reconhecido pelo Direito do Embrião pela Bioética que estuda a moralidade da conduta humana no campo das ciências da vida e principalmente no tocante ao direito do embrião com o que faz oposição com as pretendidas experiências embrionárias. Assim o ser humano torna-se portador do biodireito.

II - LEIS BRASILEIRAS.
Lendo uma matéria produzida pelo Dr  Ovidio Rocha Barros Sandoval, advogado especializado na área do Direito da Família, extraí a seguinte declaração: 1 – O Direito Romano apesar de desrespeitar a vida dos escravos  nunca deixou de respeitar vidas inocentes, ainda no útero materno e como consequência, estabelecia pena para o hediondo crime de aborto e não considerava lícito aplicar-se pena à mulher grávida.

2 – Ainda do mesmo autor:

“O Código Civil além de garantir os direitos do nascituro, possibilita o reconhecimento do filho apenas concebido (Artigo 1611 parágrafo único)”.

3 - Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:
- a soberania;
II - a cidadania;
III - a dignidade da pessoa humana;
IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
- o pluralismo político.


III – O ABORTO.


“Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras  e a minha alma o sabe muito bem. Os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui feito  e entretecido nas profundezas da terra. Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia.”.

“Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe...”.

As informações a seguir foram extraídas de diversas fontes da rede mundial.

“Numero de abortos por ano: entre 46 a 55 milhões
Numero de abortos por dia: aproximadamente 126.000
(Informações encontradas na rede mundial).

O  QUE É O ABORTO.

É a expulsão de um embrião ou de um feto antes do final do seu desenvolvimento e viabilidade em condições extra-uterino.

TIPOS DE ABORTO.
Aborto Espontâneo, induzido e o aborto ilegal; aquele que não tem registro, portanto muito maior que o aborto conhecido pelos registros que permitem sua divulgação numérica.

Espontâneo – Interrompido sem ação de agente externo.
Aborto Induzido – Diante de risco iminente para o bebê ou a mãe.
Aborto Ilegal – Sem amparo da lei, praticados na maioria quase absoluta em clinicas clandestinas.”.

As razões para a prática do aborto em clínicas clandestinas de forma indiscriminada, tem como pano de fundo, afastar o espectro do adultério ou por desinteresse dos protagonistas de assumirem a gravidez.
Não são poucas as pessoas que acusam e criticam o “Deus da Bíblia” de mandar matar crianças e são os mesmos que apoiam o aborto incondicionalmente.
Crianças morrem pelo aborto ou pela violência como abuso sexual. Não podemos mata-las mais uma vez quando se trata da eternidade.
Grande parte da sociedade apoia o aborto.

IV  – O NASCIMENTO E A DEDICAÇÃO DA CRIANÇA.

A - CRIANÇA FRUTO DO CASAMENTO CRISTÃO.

É abençoada nos pais e pelos pais.
Quando pequena é apresentada na igreja.
Ser apresentada não é garantia permanente de salvação, todavia a oração mediante a fé traz alívio à alma dos pais, pois dedicaram seus filhos a Deus rogando por suas vidas.

A SANTIFICAÇÃO DOS FILHOS.


13 - E se alguma mulher tem marido descrente, e ele consente em habitar com ela, não o deixe.

14 - Porque o marido descrente é santificado pela mulher; e a mulher descrente é santificada pelo marido; de outra sorte os vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos.

15 -  Mas, se o descrente se apartar, aparte-se; porque neste caso o irmão, ou irmã, não está sujeito à servidão; mas Deus chamou-nos para a paz.

16 - Porque, de onde sabes, ó mulher, se salvarás teu marido? ou, de onde sabes, ó marido, se salvarás tua mulher?


DEDICAÇÃO DE JESUS NO TEMPLO.


Lucas 2:21-24.

E, quando os oito dias foram cumpridos, para circuncidar o menino, foi-lhe dado o nome de Jesus, que pelo anjo lhe fora posto antes de ser concebido. Cumprindo-se os dias da purificação dela, segundo a lei de Moisés, o levaram a Jerusalém, para o apresentarem ao Senhor (Segundo o que está escrito na lei do Senhor: Todo o macho primogênito será consagrado ao Senhor); e para darem a oferta segundo o disposto na lei do Senhor: Um par de rolas ou dois pombinhos.

DEDICAÇÃO NO ANTIGO TESTAMENTO.

I SAMUEL1:27. Ana entrega Samuel aos cuidados do sacerdote Eli.

"Por este menino orava eu; e o Senhor atendeu à minha petição, que eu lhe tinha feito. Por isso também ao Senhor eu o entreguei, por todos os dias que viver, pois ao Senhor foi pedido. E adorou ali ao Senhor”.


V – O PERÍODO DA INCONSCIÊNCIA – INIMPUTABILIDADE.

É o período em que a criança não responde por seus atos. A idade varia de lugar e cultura.  A lei protege a criança não reconhecendo seus atos como delinquentes.
Como há forte tendência e gosto por numerologia, atribui-se ao “sete” o divisor de águas entre o período da inocência e a consciência, todavia não há qualquer fundamentação bíblica e é moralmente improvável.

VI  -  O PERÍODO DA CONSCIÊNCIA. - INPUTABILIDADE.

É a  idade em que a criança descobre a razão da vida e começa a desenvolver-se intelectualmente. O discernimento não é completo que depende de amadurecimento, sempre em ascensão ao longo da vida.

VII - VIOLAÇÃO DAS CRIANÇAS.

Na maioria quase absoluta dos casos o que a criança viver na fase infantil vai determinar o curso da sua vida. Se amadas e bem conduzidas, o resultado será auspicioso e benéfico para toda a sociedade.
Fico imaginando o profundo desencanto pela vida quando uma criança confia no adulto, principalmente com aqueles que estão investidos de alguma autoridade eclesiástica e que deveriam a rigor, protege-las; algumas chegam a buscar a morte pelo suicídio.

Apurei alguns tipos de violência que provocam verdadeiro aborto moral na vida infantil e não pretendo estender o assunto por não ser a tônica do tema.

VIII - MUTILAÇÃO GENITAL.

Confesso que quando tomei conhecimento dessa prática e não é de longa data, foi como se o mundo desabasse sob meus pés.

Testemunho de quem sofreu mutilação.

"Naquele momento, só queria morrer", conta mulher mutilada.

ACHEI QUE ESSA PRÁTICA FOSSE COISA DE ALGUMA PEQUENA E PRIMITIVA TRIBO AFRICANA.

A mutilação genital feminina é uma prática ainda vigente em 29 países do mundo; 150 milhões de mulheres têm a vagina mutilada e, segundo a ONU, até 2030, outras 86 milhões podem ser cortadas.

IX - Estupros.

Infelizmente essa é uma triste realidade e cruel que não só o Brasil vive, mas muitos outros países que, por vezes tem embutida em sua cultura pervertida.

O estupro é um crime hediondo e particularmente, difícil de se tornar público e penalizado. Mulheres não denunciam tal brutalidade e fica por isso mesmo. Existem mulheres em determinados países que não prestam queixa, deixando assim que o crime passe impune, mas não pense que seja por vontade própria, mas pela cultura local, em que, em vez do violador ser o criminoso quem passa por culpados são as violadas, (estupradas).

E o que dizer de crianças na maior pobreza são conduzidas a prostituição muito cedo e tomamos conhecimento de casos em que a mãe se encarrega de desvirginar a filha com objeto para em seguida oferece-la por ninharia.

Já houve denúncia dessas práticas nos rios do Pará e outras regiões em extrema pobreza e as autoridades ignoram essas verdades.
Muitos transformam a vida da criança num verdadeiro inferno e ainda querem lança-las no inferno pela eternidade.

X – TODOS PECARAM (Considerações finais).


“E traziam-lhe meninos para que lhes tocasse, mas os discípulos repreendiam aos que lhos traziam.
Jesus, porém, vendo isto, indignou-se, e disse-lhes: Deixai vir os meninos a mim, e não os impeçais; porque dos tais é o reino de Deus.”.

Igualmente em Lc. 18:16 e Mt. 19:14.

Lembrando que criança nos textos acima citados são crianças mesmo e que Jesus extraiu disso uma grande lição moral.

Mateus 18:1-7

“Naquela mesma hora chegaram os discípulos ao pé de Jesus, dizendo: Quem é o maior no reino dos céus?

E Jesus, chamando um menino, o pôs no meio deles, e disse: Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos fizerdes como meninos, de modo algum entrareis no reino dos céus.

Portanto, aquele que se tornar humilde como este menino, esse é o maior no reino dos céus.

E qualquer que receber em meu nome um menino, tal como este, a mim me recebe.

Mas, qualquer que escandalizar um destes pequeninos, que crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma mó de azenha, e se submergisse na profundeza do mar.

Ai do mundo, por causa dos escândalos; porque é mister que venham escândalos, mas ai daquele homem por quem o escândalo vem!

Romanos 3:23. 

Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;

Romanos 11:32-34.

Porque Deus encerrou a todos debaixo da desobediência, para com todos usar de misericórdia.

JEREMIAS 1:5 Identidade embrionária.

“Antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta”.

O texto acima nos mostra que a criança ainda em vida embrionária, já possui identidade diante de Deus.

XI - CITAÇÕES DO PASTOR SOLON T. GOMES.

“A doutrina cristã é ignorada por milhares de adultos plenamente conscientes. Diante disso, parece-nos difícil determinar até que idade permanece a criança na inocência, diante de Deus”.

“Parece-nos justo, mesmo sem querer basear a inocência da criança na Psicologia, voltarmos mais um vez ao lento desenvolvimento  dela que nos deixa claro ser a sua transição da fase da inocência para a fase da consciência também bastante lenta...  É inaceitável afirmar que aos 3 aos, 4 ou aos 5  anos de idade a criança já esteja apta a discernir entre o bem e o mal, escolher ou rejeitar a salvação”.
 “Diante disto, consideramos lamentável que um servo de Deis possuidor dos dons do Consolador, com o dever de guiar-nos em toda a verdade, permita penetrar em sua mente a insensata interpretação de que o imundo citado por Paulo em ICo 7:14 se refira a crianças não salvas”.

Finalmente, todo o histórico do Antigo Testamento em que as crianças morreram em decorrência da desobediência dos pais, crentes em Deus ou não, cuja desobediência foi condenada na carne de forma imediata à semelhança de Coré, Datã, Abirão;  pelo diluvio ou pela destruição de cidades como Sodoma e Gomorra, tenham sido lançadas no inferno.

A insensatez não deve ser a marca do nosso pensamento e coração.


Genivado Tavares de Melo.

08/02/2017 em São Paulo.