Tradução deste blog

sábado, 13 de janeiro de 2018

UMA SALVAÇÃO GRANDIOSA - EBD LÇ. 2 14/01/2018.

EBD LÇ. 2  14/01/2018 “UMA SALVAÇÃO GRANDIOSA”.


O que escrevo com base nos textos da lição, representa o meu pensamento e o que posso extrair para o ensino na Escola Bíblica Dominical,  lembrando que os alunos não são estudantes de Teologia, mas precisam usufruir de um bom e seguro ensinamento.  Eles funcionam como polinizadores;  sim, eles dão fruto para o Reino de Deus.

Aos Irmãos coordenadores de EBD:  Não torne a lição, um caderno inútil, fazendo valer os seus argumentos, um estudo à parte desta ferramenta. Recebo muitas reclamações de irmãos frustrados por conta disso. Há quem crie argumentos, tão à parte, que inutiliza até o tema proposto para estudo.

PONTOS:
I – UMA SALVAÇÃO GRANDIOSA.
II – UMA SALVAÇÃO NECESSÁRIA.
III – UMA SALVAÇÃO EFICAZ.


O ser humano vive procurando se reencontrar e a religião parece ser a principal porta para a alma, porém nenhuma pode garantir a eternidade se a porta não for Jesus que além de preencher o vazio, abre a eternidade com Deus para morada eterna.

  
I – UMA SALVAÇÃO GRANDIOSA.

1.1 Testemunhada pelo Senhor.

Este ponto pode parecer difícil de compreender considerando que numa visão mais ampla, não vemos os anjos  intermediando a Antiga Aliança; considerando que o Senhor falou diretamente com Moisés no Sinai, estabelecendo a lei,   o sacerdócio e os sacrifícios pelos pecados do povo que para o mesmo autor, (Hb.10:13) os  sacrifícios anuais,  passavam por  comemoração dos pecados, já que a Lei era impotente para salvar e os sacrifícios não aperfeiçoavam os ofertantes.

“Porque, se a palavra falada pelos anjos...”.

Estaria o autor da carta aos hebreus, referindo-se a aparição dos anjos (parousia) em vários momentos ou algo maior, não revelado literalmente sobre essa mediação angelical na antiga aliança?

Não dá para fazer conjecturas e tentar convencer os alunos, mas compreendo apenas como uma forma de consolidar a veracidade do evangelho.
Os anjos tiveram uma grande participação na vida do povo de Deus e anunciaram a destruição de Sodoma e Gomorra por conta dos seus pecados e a palavra deles, como a de um profeta, permaneceu firme.

Assim, convém atentar para a “grande salvação”.



1.2 Proclamada pelos que a ouviram. (Hb.2:3)

O texto citado deixa mesmo transparecer que o autor teve a “confirmação” pelos que “ouviram” a Palavra que foi inicialmente anunciada pelo próprio Senhor.

Assim, o autor ouviu os relatos e certamente viveu as experiências da chamada “era apostólica”,  relatando tudo o que fora feito e dito.

Essa forma de comentário aproxima muito, Lucas a Hebreus quanto a forma de relatar, a exemplo de Atos dos Apóstolos, sabendo que a riqueza do texto, aproxima Paulo.

Aqueles que não viveram com o Senhor, convertendo-se após a ascensão, souberam muito a partir das informações que numa linguagem nossa, era informação “quente” por terem vivido próximo ao Senhor.


1.3 Confirmada pelo Espírito Santo.

O Espírito Santo é por excelência, o autor das obras, na era apostólica e tem sido até hoje, conduzindo a igreja a manter-se próxima ao Pai e ao Filho.

Seja nos atos ou milagres quanto na revelação para as escrituras.


II – UMA SALVAÇÃO NECESSÁRIA.

2.1 Por intermédio da humanização do Redentor.         

Jo.1:14) “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.”.

(Fl. 2:5-8) “De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.”.

É dessa forma que cremos: O Senhor se despojou da sua glória para entender nossas fraquezas.


2.2 Por meio do sofrimento do Redentor.

Para sentir o que Jesus sentiu ao consumar a obra na cruz, deixa evidente que todo o sofrimento descrito, mostra a sua humanidade, 100% homem. As dores foram reais. Isaias 53 previu todo o sofrimento.


2.3 Por intermédio da glorificação do Redentor.

A glorificação começou a ser revelada logo após a ressurreição quando apareceu às mulheres, aos discípulos e depois aos doze no cenáculo.

Com João na Ilha de Patmos, acentuou mais ainda a sua glorificação pela descrição de João no capítulo primeiro do Apocalipse.

A glorificação pode também ser compreendida como a consolidação do processo ou plano da salvação. Ato perfeito.


III – UMA SALVAÇÃO EFICAZ.


3.1 Vitória sobre o Diabo.

Quando a gente vê a luta de Jesus com os seus compatriotas, parece terem sido eles, os únicos a endurecerem contra Cristo, porém o maior inimigo não eram os homens, mas o Diabo que tentou dissuadir Cristo de executar o plano de Deus, começando pela morte dos meninos com vistas a eliminar o filho de Deus, mas foi tudo em vão e por último, através dos homens, levar Jesus ao último nível de sofrimento.

Jesus suportou tudo e venceu o Diabo.


3.2 Vitória sobre a morte.

A morte não teve domínio sobre o filho de Deus, pois no terceiro dia, ele saiu da sepultura.

Mostrar a Tomé os sinais dos cravos e da lança ao seu lado foi a coroação da sua luta por todos nós.

Se Jesus não tivesse vencido a morte, nós também não venceríamos e se ele não tivesse ressuscitado, a nossa fé seria vã.


3.3  Vitória sobre a tentação.


Jesus, um espelho para todos  nós.

Ele foi tentado, mas sem pecado, não cedeu a tentação e fico pasmo quando vejo pregadores, jogando com a malícia como no caso da mulher samaritana.



Os três últimos anos de vida do Senhor foram tão intensos que não se pode pensar que Jesus sorrisse como qualquer de nós.

Nenhum comentário:

Postar um comentário